Em Cuba, Lula envia 'energia positiva' a Chávez

Ex-presidente brasileiro presta homenagem a líder venezuelano internado em Havana: 'elites dos nossos países não suportam a redução da desigualdade'

HAVANA, O Estado de S.Paulo

31 de janeiro de 2013 | 02h06

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva prestou ontem em Cuba uma homenagem ao presidente venezuelano, Hugo Chávez, internado em Havana desde 11 de dezembro para tratar um câncer pélvico. Durante discurso na Conferência pelo Equilíbrio Mundial, na capital cubana, transmitido pela rede de TV Telesur, Lula pediu o envio de energia positiva para Chávez.

No discurso, e ex-presidente criticou a imprensa e a elite político-econômica latino-americana. "A verdade é que as elites dos nossos países não simpatizam com a gente por causa das coisas que fizemos bem: a diminuição da desigualdade", disse Lula. "No Brasil, por exemplo, a imprensa não suporta que os pobres viajem de avião. Esse é o motivo do ódio contra Chávez, Cristina (Kirchner), Pepe (Mujica) e Evo Morales."

O ex-presidente está em Cuba para uma série de homenagens ao herói da independência José Martí. Até ontem, não havia a confirmação de uma visita do brasileiro a Chávez, internado no Centro de Pesquisas Médicas e Cirúrgicas. Lula se encontraria ontem com o presidente cubano Raúl Castro. Ele deve viajar hoje para a República Dominicana.

Ainda ontem, O ministro de Ciência e Tecnologia da Venezuela, Jorge Arreaza, disse que o presidente Hugo Chávez, de quem é genro, está cada dia melhor e mais a par de suas atribuições. O ministro, que é casado com Marinés, uma das filhas do líder bolivariano, está com a família do sogro em Cuba.

"Está funcionando mais que um motor", disse Arreaza em entrevista à TV estatal VTV. Segundo o ministro, ele tinha acabado de participar de uma reunião com o presidente. Ainda de acordo com o chavista, Chávez tem a "plenitude" de suas faculdades intelectuais. "Ele está constantemente refletindo, tomando decisões, dando instruções e por dentro dos temas de governo", afirmou Arreaza. "Ele está consciente e tranquilo, tomando as decisões que tem de tomar."

Chávez não é visto em público nem se comunica com os venezuelanos desde 9 de dezembro, quando anunciou a volta do câncer. Ao longo da internação em Havana, as informações divulgadas pelo governo venezuelano foram alvo de duras críticas da oposição. De acordo com o ministro da Informação, Ernesto Villegas, após a cirurgia, o presidente teve uma infecção pulmonar - já controlada pelos médicos - e ainda sofre de uma insuficiência respiratória. / AFP e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.