Em cúpula, países sul-americanos criam Conselho de Defesa

Órgão deve prevenir conflitos na região, apoiar cooperação militar e integrar bases industriais de defesa

Tânia Monteiro e Tiago Décimo, de O Estado de S. Paulo,

16 de dezembro de 2008 | 19h31

Depois de mais um ano de discussão, o Conselho Sul-Americano de Defesa foi oficialmente criado nesta terça-feira, 16, durante uma rápida reunião de cúpula da União das Nações Sul Americanas (Unasul). Além de prevenir conflitos na região, o Conselho tem, entre seus objetivos, fomentar a cooperação militar regional e a integração das bases industriais de defesa. Servirá também como foro para decidir problemas específicos na América do Sul, afastando das discussões países alheios à região.   Veja também: Ordem 'injusta e egoísta' prejudica integração, diz Raúl Castro    A primeira reunião do Conselho será realizada até março, ainda sob a presidência do Chile na Unasul. O Conselho de Defesa deve servir, em tese, para resolver impasses como o que ocorreu quando a Colômbia invadiu o Equador e provocou uma crise diplomática no continente.   O ministro da Defesa do Brasil, Nelson Jobim, presente ao encontro na Costa do Sauípe, informou que está empenhado, por exemplo, na integração da indústria de defesa da região. Com base em uma ampla pesquisa sobre as indústria de defesa do continente, Jobim estima que "há muito o que fazer neste setor."  

Tudo o que sabemos sobre:
Unasul

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.