Em dia com 70 mortes, ministro da Defesa britânico diz que Iraque progrediu

Des Browne, ministro da Defesa britânico, afirmou nesta segunda-feira que um progresso está sendo feito na segurança do Iraque, apesar do número de mortes nos últimos dias e o saqueio a uma base desocupada por forças aéreas britânicas na última semana."Cada vez que eu venho, vejo mais progresso" no Iraque, afirmou Browne que chegou ao país na manhã desta segunda-feira para encontrar autoridades e tratar da transferência de bases americanas para forças iraquianas para cuidar segurança no país.Browne encontrou Abdul-Qader Mohammed Jassim al-Mifarji, ministro da defesa iraquiano, e mais tarde teve uma reunião com o primeiro ministro Nouri al-Maliki, segundo um porta-voz britânico.Em uma coletiva, Browne afirmou que há melhoras no país, mas, citando a violência da última semana, reconheceu que "ainda há desafios"; várias explosões e tiroteios mataram ao menos 60 pessoas, incluindo oito soldados americanos.Um ataque suicida em Bagdá e confrontos desde a noite de domingo entre soldados americanos e iraquianos contra o "Exército Mehdi", milícia do clérigo rebelde xiita Moqtada al-Sadr já deixaram pelo menos 50 mortos no país nesta segunda-feira.Pelo menos 70 pessoas - 20 soldados iraquianos e 50 homens armados - morreram durante confronto de soldados americanos e iraquianos contra milicianos xiitas na cidade de Diwaniya, 200 quilômetros ao sul de Bagdá, segundo o Governo, apesar do toque de recolher decretado na cidade após os confrontos registrados no fim de semana.Transferência do controle no paísA tomada do controle pelas forças iraquianas foi um dos pontos mais discutidos no encontro entre os dois ministros.Tropas iraquianas assumiram a responsabilidade em Muthanna, cidade xiita localizado no deserto do sul do país, antes comandada por forças britânicas. Maysan e Dhi Qar - outras duas províncias controladas por britânicos - devem passar aos iraquianos em poucos meses.Na última sexta-feira, iraquianos saquearam uma base militar que foi desocupada por tropas britânicas em Maysan para se posicionarem no local. Os saqueadores duvidam da capacidade das forças iraquianas controlarem a região depois da saída das coalizão entre Estados Unidos e Inglaterra.Browne tratou o saqueio como uma "área de interesse", e que lições podem ser retiradas para o futuro, quando novas transferências devem ser feitas. Mais tarde, o ministro da defesa afirmou que a violência está "crescendo" e disse que "inevitavelmente dificuldades surgirão".O secretário de defesa também afirmou que não há planos para reduzir as forças britânicas na província de Maysan e em todo o país.Durante a última semana, funcionários do ministério da defesa afirmaram, em Londres, que o número de soldados pode cair de 7 mil para 3 ou 4 mil até o segundo semestre de 2007. Oficiais britânicos afirmaram da intenção de retirar as forças do Iraque em 2007. Aproximadamente 7.200 soldados britânicos estão no país e 115 morreram desde a invasão, em 2003.Esta matéria foi atualizada às 15h37

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.