Brennan Linsley/AP
Brennan Linsley/AP

Em dia da independência afegã, Taleban pede retirada da Otan

Afeganistão nunca tolerou, nem tolerará no futuro a ocupação de seu território, diz grupo

Efe,

19 de agosto de 2010 | 11h56

CABUL - O Taleban pediu nesta quinta-feira, 19 de agosto, quando é celebrada a independência do Afeganistão, a retirada imediata das tropas estrangeiras presentes no país. Segundo os rebeldes, o Afeganistão é uma nação que "não tolerou nunca, nem tolerará no futuro" a ocupação de seu território.

 

"Advertimos aos atuais agressores, EUA e aliados, que sigam os passos de seus antecessores (Império Britânico) e se retirem tão logo quanto possível", afirmou a cúpula do movimento Taleban em nota divulgada em seu site. Mais de mil de pessoas protestaram hoje na cidade de Jalalabad (leste) contra a ocupação do país, também pedindo a retirada das tropas estrangeiras.

 

O país foi palco no século XIX de uma feroz rivalidade entre a Rússia czarista e o Império Britânico pelo controle de Ásia Central. O protetorado britânico se prolongou até 1919, quando o Afeganistão finalmente conseguiu a independência, ao término da terceira guerra anglo-afegã.

 

Celebração

 

Uma cerimônia simples foi realizada em Cabul com a presença do presidente do Afeganistão, Hamid Karzai, para comemorar os 91 anos da independência do país. Karzai colocou uma coroa de flores no Palácio presidencial em companhia de vários funcionários do governo.

A cerimônia, organizada pelo Ministério da Defesa, foi boicotada por alguns meios de comunicação locais. Os jornalistas acusam as forças de segurança de tê-los impedido de fazer seu trabalho por meio de insultos e agressões em Cabul, cidade tradicionalmente submetida a intensos controles à imprensa.

Tudo o que sabemos sobre:
AfeganistãoTalebanOtan

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.