REUTERS/Reuters TV
REUTERS/Reuters TV

Em dia de feriado nacional na Espanha, milhares protestam em Barcelona pela unidade do país

Manifestantes marcharam entoando mensagens hostis aos líderes separatistas; no centro da cidade, dois pequenos grupos entraram em confronto e jogaram cadeiras uns nos outros; apesar do clima de tensão, premiê Mariano Rajoy e rei Felipe VI participaram do tradicional desfile militar em Madri

O Estado de S.Paulo

12 Outubro 2017 | 17h29

MADRI - Em plena crise catalã, a Espanha celebra nesta quinta-feira, 12, seu feriado nacional, lamentando a morte de um piloto na queda de um avião de combate, enquanto milhares de pessoas protestavam em Barcelona pela unidade do país.

+ Itamaraty pede diálogo e respeito à Constituição da Espanha em meio à tensão na Catalunha

Os manifestantes marchavam ​entoando mensagens hostis aos líderes separatistas. "Puigdemont na prisão", gritavam eles, em referência ao líder catalão, Carles Puigdemont, que organizou no dia 1.º de outubro um plebiscito de autodeterminação da Catalunha, apesar da oposição de Madri.

+ Para entender: A Constituição espanhola e o Artigo 155

O ministro das Relações Exteriores da Espanha, Alfonso Dastis, considerou que Puigdemont não declarou independência, mas acrescentou que o Executivo central espera uma resposta clara antes de agir. "Para nós, eles ainda não o fizeram. Não fizeram isso na sessão plenária do Parlamento, fizeram em outra sala, rapidamente e apenas em parte, sem dar à oposição a possibilidade de se expressar", disse em entrevista à emissora francesa CNews.

Na quarta-feira, o governo central emitiu um ultimato ao governador separatista, dando um prazo de até às 10h de segunda-feira (5h em Brasília) para "esclarecer" seu posicionamento sobre a independência.

Se Puigdemont persistir, o governo estenderá o prazo até às 10h de quinta-feira, antes de tomar medidas concretas segundo o Artigo 155 da Constituição, que prevê a suspensão total ou parcial da autonomia de uma região.

Esse caminho seria considerado por muitos catalães como uma afronta e poderia provocar distúrbios na região, cuja autonomia foi restabelecida após a morte do ditador Francisco Franco (1939-1975).

O primeiro-ministro espanhol, Mariano Rajoy, tem apoio da maioria do Parlamento nacional, inclusive do líder da oposição, o Partido Socialista, que também conseguiu um compromisso dos conservadores para estudar uma reforma constitucional que melhore as relações com a região.

Nas ruas

Nesta quinta-feira, os opositores da independência desejavam mostrar que "a Catalunha não pertence" aos separatistas, de acordo com as palavras de Laura Peña, vendedora de 26 anos que participava da passeata em Barcelona.

"Todos os anos, saímos com a bandeira espanhola no dia do feriado nacional, e hoje temos mais uma razão que é a de defender a unidade nacional. A independência da Catalunha afetaria todos nós, não apenas os que vivem na Catalunha", acrescentou Raquel Martinez, uma estudante de 18 anos nascida na Andaluzia.

A crise mobiliza, também, a extrema-direita. Cerca de 350 radicais queimaram bandeiras separatistas em um pequeno protesto em Barcelona. Além disso, dois pequenos grupos de manifestantes entraram em confronto no centro de Barcelona e jogaram cadeiras uns nos outros antes de a polícia chegar para apartá-los. Ainda não se sabe o que desencadeou a briga e quem exatamente estava envolvido.

A tensão entre Catalunha e Madri aumentou desde a organização do plebiscito proibido pela Justiça, marcado pela violência policial. A organização Human Rights Watch criticou, nesta quinta-feira, a violência contra os manifestantes que estavam concentrados em colégios eleitorais.

Os separatistas afirmam ter vencido o pleito com 90% dos votos e uma participação de 43%, números não verificáveis na ausência de uma comissão eleitoral independente.

Desde então, dezenas de empresas, como o CaixaBank, transferiram suas sedes para fora da Catalunha e a agência de classificação Standard & Poor’s alertou para o risco de "recessão" se a crise continuar.

Desfile

O primeiro-ministro Mariano Rajoy e o rei Felipe VI participaram do tradicional desfile militar ao longo da avenida do Paseo de la Castellana, em Madri, para comemorar a chegada de Cristóvão Colombo na América em 1492.

Contudo, o clima não é de festa na Espanha, confrontada com a crise política mais séria desde o retorno à democracia em 1977.

Além disso, o dia ainda ficou marcado pelo luto após a morte de um piloto no acidente de seu Eurofighter depois de participar do show aéreo do feriado nacional. O avião de combate caiu quando se aproximava da base aérea de Los Llanos, perto da cidade de Albacete, 300 km ao sudeste da capital. / AFP, EFE e AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.