Simela Pantzartzi/Efe
Simela Pantzartzi/Efe

Em dia de protestos, premiê grego tenta formar governo de unidade

Milhares são contra plano de austeridade; há relatos de que George Papandreou apresentou renúncia

BBC Brasil, BBC

15 de junho de 2011 | 14h42

ATENAS - Em meio a uma jornada de violentos protestos na capital da Grécia, Atenas, o primeiro-ministro, George Papandreou, negocia nesta quarta-feira, 15, com a oposição a formação de um governo de unidade nacional.

O socialista Papandreou busca uma aliança com o líder da oposição, o conservador Antonis Samaras, para a aprovação do controverso novo pacote de reformas econômicas.

Muitos congressistas dizem que vão se opor ao pacote, e há relatos de que, devido à má repercussão do plano, o premiê já teria apresentado sua renúncia.

Antes, representantes da oposição já haviam ameaçado exigir a saída de Papandreou, que conta atualmente com uma maioria de apenas cinco cadeiras entre as 300 do Parlamento.

O plano de austeridade tem como finalidade gerar uma economia de 6,5 bilhões de euros neste ano por meio do aumento de impostos e do corte de gastos públicos.

Em troca, a União Europeia e o Fundo Monetário Internacional (FMI) concordariam em liberar uma parcela de 12 bilhões de euros para que o governo grego possa pagar dívidas que vence no curto prazo.

Confrontos. Nesta quarta-feira, ocorreram confrontos entre manifestantes e a polícia em frente ao Parlamento em Atenas, onde os legisladores gregos discutiam o plano de austeridade.

Os policiais jogaram bombas de gás lacrimogêneo contra os manifestantes, que responderam jogando pedras. Dezenas de pessoas ficaram feridas.

As duas principais centrais sindicais do país conclamaram uma greve geral para esta quarta-feira.

"Todos os gregos, em particular os mais jovens, querem que lutemos com todas as nossas forças para evitar uma bancarrota desastrosa que minará o futuro do país", disse o porta-voz do governo grego, George Petalotis.

"Estamos batalhando para servir o bem comum, no momento mais crucial da moderna democracia do país."

O correspondente da BBC em Atenas Malcolm Brabant disse que o governo socialista está tentando evitar uma "rebelião" dentro dos seus próprios quadros.

Na quarta-feira, o deputado governista George Lianis anunciou que deixava o partido para se tornar independente.

"Você precisa ser cruel como um tigre para votar por essas medidas, e eu não sou", disse o deputado e ex-ministro de Esportes, ao anunciar sua mudança.

Pelo menos outro deputado socialista ameaçou votar contra o programa de cortes e privatizações.

Papandreou, comparou a situação da Grécia com a de um país em guerra, dizendo que está determinado a "vencer" as dificuldades econômicas que o país enfrenta. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.