Em discurso, McCain aceita derrota e promete ajudar Obama

Republicano teve de conter vaias de pessoas presentes em comício em Phoenix contra o presidente eleito

Redação com Agência Estado

05 de novembro de 2008 | 02h58

O candidato republicano à Casa Branca, John McCain, acaba de admitir sua derrota e parabenizar o democrata Barack Obama pela vitória. "O povo americano falou, e falou claro", disse McCain, em discurso a uma platéia emocionada de correligionários diante do Hotel Biltmore, na cidade de Phoenix, no Arizona, seu estado natal.  O democrata conquistou a presidência ao garantir , por enquanto, 338, dos 270 votos necessários no colégio eleitoral. No voto popular ele teve 52% da preferência contra 47% de McCain. Até agora ele obteve 55 milhões de votos, contra 50 milhões do rival. Cerca de 75% das urnas já foram apuradas. Veja também: Disputa foi a mais cara de todos os tempos Três fatores decidiram eleição nos EUA Veja o perfil do novo presidente Disputa foi a mais cara de todas Campanha de Obama fez história Democratas mantêm maioria no Senado Imagens do dia de votação nos EUA  Trajetória de Obama  TV Estadão: jornalistas analisam a disputa Guterman: Obama é o resgate do 'espírito americano'  Veja a cobertura online  Blog: Brasileiros nos EUA Estadao.com.br na terra dos Obamas Diário de bordo da viagem ao Quênia  Veja a apuração das eleições Obama x McCain  Entenda o processo eleitoral   Cobertura completa das eleições nos EUAEle pediu que todos os americanos se juntassem a ele nas congratulações ao presidente eleito e afirmou que esta foi uma "eleição histórica" e uma "grande conquista para os afro-americanos". O senador republicano se comprometeu a ajudar o governo de Barack Obama. "Prometo a ele nesta noite fazer tudo o que estiver em meu poder para ajudá-lo a nos liderar através dos muitos desafios que enfrentamos", declarou McCain.   O republicano foi vaiado ao dizer que havia ligado para Obama para parabenizá-lo. McCain então conteve as manifestações com um gesto. "Esta é uma eleição histórica. O senador realizou um grande feito para ele e seu país", disse. O republicano ainda assumiu a responsabilidade pela derrota. "A culpa é minha, não de você", afirmou. Durante a campanha, os republicanos fizeram uma série de ataques a Obama. O democrata foi acusado de ser 'socialista' e de ter ligações com terroristas domésticos nos Estados Unidos. O candidato derrotado pediu que todos os americanos ofereçam ao novo presidente boa vontade para restaurar a prosperidade do país. "É uma pena que sua querida avó não tenha vivido para ver isto", completou.De acordo com um assessor de Obama, McCain telefonou ao democrata pouco antes do discurso. "O senador Obama agradeceu ao senador McCain e disse que ele havia se engajado numa árdua disputa", afirmou o assessor, Robert Gibbs. O novo presidente também elogiou o rival como "alguém que mostrou classe e honra durante esta campanha, como teve durante toda sua vida pública", acrescentou Gibbs.Obama afirmou ainda que está ansioso para se sentar com McCain e conversar sobre como ambos podem trabalhar juntos. "Eu preciso de ajuda e você é um líder em muitas questões importantes", teria afirmado Obama, segundo o relato de Gibbs.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAeleiçõesMcCainatualiza

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.