REUTERS/Mike Segar
REUTERS/Mike Segar

Em discurso na ONU, Obama critica Rússia e China e defende solução para a crise na Síria

O presidente americano disse que não se pode pensar no futuro enquanto Assad estiver no poder

Cláudia Trevisan, Enviada especial/Nova York, O Estado de S. Paulo

28 Setembro 2015 | 12h37

NOVA YORK - Em discurso na 70º Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), o presidente dos EUA, Barack Obama, criticou a Rússia por suas ações na Ucrânia e a China pelas disputas territoriais com seus vizinhos no Mar do Sul da China. Segundo ele, o comportamento dos dois países desrespeita o sistema criado pela comunidade internacional há sete décadas e ameaçam levar o mundo de volta de uma era em que Estados mais fortes podiam impor sua vontade aos mais fracos de maneira impune.

Obama também defendeu uma solução para a crise Síria negociada pelos países representados na ONU. Para ele, não é possível pensar em um futuro para o país sem a saída de Bashar Assad do poder. O presidente americano também vinculou a derrota do Estado Islâmico à solução da turbulência da Síria, onde o grupo controla parte do território.

A saída para o confronto deve ser buscada de maneira coletiva pelas nações reunidas na ONU, afirmou Obama, que repetiu a disposição de negociar o assunto com qualquer país, incluindo a Rússia. O presidente Vladimir Putin é um dos principais aliados de Assad e o apoia na guerra civil iniciada há mais de quatro anos. “Onde a ordem foi quebrada, nós devemos agir, mas seremos mais fortes se agirmos juntos”, afirmou Obama.

Mas o presidente americano disse que a ONU deve aprender com os erros cometidos na Líbia, onde a ação de uma coalizão internacional levou à queda de Muamar Kadafi, em 2011, sem um plano de apoio ao país no período subsequente. “Nossa coalizão poderia e deveria ter feito mais para preencher o vácuo deixamos.”

A intervenção unilateral no Iraque mostrou aos Estados Unidos que ações sem o apoio do sistema internacional são insuficientes para levar estabilidade a outros países, afirmou o presidente americano.

Obama também usou seu discurso para fazer uma contundente defesa da democracia, em declarações que podem ser interpretadas como críticas à China e também à Rússia. “A história mostra que regimes que temem seu próprio povo sucumbirão”, disse. “O governo que reprime o dissenso pacífico não mostra força, mas fraqueza”. Na semana passada, Xi Jinping fez uma visita de Estado a Washington e foi recebido por Obama em um banquete na Casa Branca.

Mais conteúdo sobre:
ONU Estados Unidos Barack Obama

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.