Em discurso, Vargas Llosa critica Cuba e Venezuela

Escritor premiado com o Nobel de Literatura elogia avanços democráticos na América Latina, mas condena algumas 'pseudo democracias populistas'

, O Estado de S.Paulo

08 de dezembro de 2010 | 00h00

ESTOCOLMO

O escritor peruano Mario Vargas Llosa elogiou ontem a América Latina por ter se tornado mais democrática, mas criticou Venezuela e Cuba e chamou de "palhaços" os governos de Bolívia e Nicarágua. Em seu discurso de aceitação do Prêmio Nobel de Literatura, Vargas Llosa disse que "pela primeira vez em nossa história temos uma esquerda e uma direita que, como no Brasil, Chile, Uruguai, Peru, Colômbia, República Dominicana, México e quase toda a América Central, respeitam a legalidade, a liberdade de crítica, as eleições e a renovação no poder".

"Padecemos de menos ditaduras do que antes, somente Cuba e sua candidata a substituí-la, Venezuela, e algumas pseudo democracias populistas e palhaças, como as da Bolívia e da Nicarágua", acrescentou.

O escritor peruano é o primeiro ganhador latino-americano do Nobel de Literatura desde o colombiano Gabriel García Márquez, em 1982, e o mexicano Octavio Paz, em 1990.

Vargas Llosa, que se candidatou, sem êxito, à presidência do Peru em 1990, pediu aos líderes latino-americanos que se mantenham nesse caminho. "Esse é um bom caminho... se perseverarem nele, combatendo a insidiosa corrupção e se integrando no mundo, a América Latina deixará, por fim, de ser o continente do futuro e passará a ser o do presente". Ele também criticou as nações ocidentais por não se oporem com mais dureza contra ditaduras como as da China e de Mianmar e Cuba. "As ditaduras devem ser combatidas sem contemplação, por todos os meios ao nosso alcance, incluindo as sanções econômicas."

"Levo meu país em minhas entranhas", declarou. Segundo o escritor foi no Peru que nasceu, cresceu, se formou e viveu "aquelas experiências de infância e juventude que modelaram" sua personalidade e forjaram sua vocação, que o levou a ser reconhecido com o mais prestigioso prêmio de literatura, que lhe será entregue na sexta-feira pelo rei Carlos Gustavo da Suécia.

O autor de A Casa Verde, entre outros títulos, assegurou que no Peru amou, odiou, sofreu e sonhou e o que acontece nesse país o afeta, o comove e exaspera "mais do que com o que ocorre em outras partes". Sob o título "Elogio à leitura e à ficção", o escritor, de 74 anos, pronunciou o discurso de uma hora de duração diante de sua mulher, Patricia, seus filhos e netos.

Vargas Llosa lembrou que alguns compatriotas o chamaram de traidor e esteve a ponto de perder sua cidadania quando, durante a ditadura, pediu aos governos democráticos do mundo "que punissem o governo (peruano) com sanções diplomáticas e econômicas como fizeram com todas as ditaduras de qualquer índole". Um pedido que, assegurou, voltaria a fazer "se - que o destino não deseje e os peruanos não permitam - o Peru fosse vítima novamente de um golpe de Estado que aniquilasse nossa frágil democracia". / AP e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.