Em disputa acirrada, Cameron luta por indecisos

Pesquisas mostram empate entre o primeiro-ministro e o líder do Partido Trabalhista na Grã-Bretanha; eleições legislativas serão realizadas amanhã

LONDRES, O Estado de S.Paulo

06 de maio de 2015 | 02h00

A dois dias das eleições gerais na Grã-Bretanha, o primeiro-ministro conservador, David Cameron, e o líder trabalhista, Ed Miliband, disputavam ontem os votos dos indecisos para tentar sair da situação de empate demonstrada pelas principais pesquisas do país. O liberal democrata Nick Clegg, que formou coalizão com Cameron na última legislatura, advertiu que pode ser necessária uma nova eleição antes do Natal se nenhum partido conseguir formar um governo estável.

Uma sondagem do instituto YouGov colocou conservadores e trabalhistas com 33% das intenções de voto cada. Ao mesmo tempo, uma pesquisa do Instituto Populus mostrou os dois maiores partidos da Grã-Bretanha com um respaldo de 34% cada.

Os britânicos vão às urnas amanhã para escolher os 650 deputados da Câmara dos Comuns, mas tudo indica que nem conservadores nem trabalhistas conquistarão a maioria absoluta de 326 cadeiras.

Segundo as projeções do YouGov, os trabalhistas teriam 276 cadeiras, enquanto os conservadores, 272 - números insuficientes para formar um governo sozinho. Esse cenário obrigará os principais partidos a negociar uma coalizão ou pacto com outros partidos menores para se chegar a um número próximo à maioria absoluta.

Projeções. O eurocético Partido da Independência do Reino Unido (Ukip, na sigla em inglês), de Nigel Farage, receberia, segundo o YouGov, apoio de 12% dos eleitores, seguido pelos liberais democratas, de Nick Clegg, com 10%.

Na pesquisa do Populus, que não faz projeções sobre a quantidade de cadeiras, o Ukip obteria 13% dos votos e os liberais democratas, os mesmos 10%.

Na reta final da campanha, Cameron e Miliband reforçaram as principais ideias de seus programas para convencer os indecisos. O líder conservador, que tinha eventos programados ininterruptamente por 36 horas, incluindo encontros com trabalhadores noturnos, pediu votos para continuar com seu programa de recuperação econômica.

Cameron disse ainda que o país sumirá no "caos" se os trabalhistas chegarem o governo com o apoio do Partido Nacionalista Escocês (SNP). No entanto, Miliband já descartou a possibilidade de formar uma coalizão com os separatistas escoceses. / EFE e REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.