Nir Elias / Reuters
Nir Elias / Reuters

Em disputa acirrada com moderados, Netanyahu tenta quinto mandato

Premiê se aproximou da ultradireita para garantir vitória que poderia levá-lo a ser o governante com mais tempo no poder; seu principal rival é um general, também ligado à direita, que atraiu apoio graças à rejeição a 'Bibi'

Cristiano Dias, ENVIADO ESPECIAL / JERUSALÉM, O Estado de S.Paulo

09 de abril de 2019 | 05h00

Os israelenses escolhem nesta terça-feira, 9, entre o primeiro-ministro, Binyamin Netanyahu, e o general Benny Gantz. O premiê é um velho conhecido. Está há dez anos no poder e vem se aproximando mais dos conservadores religiosos. Gantz é um novato, sem experiência política, que adotou um tom moderado para mostrar que é diferente do rival. 

Gantz lançou sua candidatura em fevereiro. Desde então, acusa Netanyahu de dividir os israelenses e fala mais em “unificar” o país do que apresenta propostas concretas. “Não há mais direita e esquerda”, diz o jingle do general. “Agradeço ao premiê Netanyahu pelos dez anos de serviços prestados. Daqui para frente, é conosco.”

Gantz fala em devolver aos palestinos áreas ocupadas por Israel, embora fuja do tema quando o assunto é uma Palestina independente. Pode não parecer muito, mas é o suficiente para se distanciar da política de Netanyahu, que no sábado defendeu a anexação de partes da Cisjordânia. “Gantz rejeita a ideia de anexação de partes da Cisjordânia. Seu grupo político acredita que isso colocaria em risco o caráter judeu e democrático do Estado de Israel”, diz Yaakov Lappin, analista do Centro de Estudos Estratégicos Begin-Sadat, da Bar-Ilan University.

Outra plataforma de Gantz é impor um limite de mandatos ao primeiro-ministro – Netanyahu, se for eleito, começará um quinto mandato e poderia ser o premiê que governou Israel por mais tempo (governou de 1996 a 1999 e começou o período atual em 2009). Ultrapassaria assim Ben Gurion, espécie de patriarca do Estado.

O Azul e Branco, partido fundado recentemente por Gantz, defende ainda duas medidas que desagradam aos religiosos: menos restrições para o funcionamento do transporte público durante o shabat (sábado sagrado de descanso no judaísmo) e a regularização do casamento civil – em Israel, o casamento religioso é o único que tem validade, o que dificulta o divórcio e dá muito poder aos rabinos em questões como pensões, herança e adoção.

O perfil de Gantz, orgulhoso da ação militar na última guerra em Gaza, em 2014 – que deixou 73 israelenses e 2.189 palestinos mortos, segundo a ONU –, seria desprezado pelos eleitores de centro-esquerda, não fosse um detalhe: judeus moderados, seculares ou socialistas aceitam hipotecar apoio ao general não pelo que ele é, mas pelo que ele não é, Netanyahu. 

Depois de tanto tempo no poder, o primeiro-ministro vem sofrendo um desgaste natural. Ele enfrenta três investigações que envolvem suborno, fraude e quebra de confiança. Há um quarto escândalo, ainda mais grave: Netanyahu admitiu ter autorizado a venda de submarinos avançados para o Egito sem consultar o Ministério da Defesa, o que críticos dizem que poderia ser enquadrado como “crime de traição”. “A estratégia de Netanyahu é atacar a imprensa, a Suprema Corte e o procurador-geral. Gantz tem buscado se opor ao negativismo”, afirma Gideon Rahat, cientista político da Universidade Hebraica de Jerusalém.

Pesquisas apontam empate entre Gantz e Netanyahu. Os dois têm cerca de 25% dos votos e poderiam obter 30 deputados cada um, de um total de 120 no Parlamento. O próximo primeiro-ministro, no entanto, será quem conseguir formar uma coalizão que inclui os pequenos partidos. 

Quando considerados os dois grandes blocos políticos, a chamada “direita religiosa”, de Netanyahu, estaria à frente com 65 cadeiras. A centro-esquerda, alinhada a Gantz, faria 55 deputados. É possível que a apuração dos votos seja divulgada hoje, mas o nome do novo premiê ainda leve dias para ser conhecido.

Dois fatores tornam a eleição mais imprevisível. Uma cláusula de barreira de 3,25% dos votos pode eliminar do Parlamento pequenos partidos, tanto à direita quanto à esquerda, embaralhando os cálculos. Além disso, o presidente de Israel, Reuven Rivlin, precisa escolher entre Gantz e Netanyahu quem terá a prerrogativa de formar o governo primeiro. Rivlin e Netanyahu se detestam. Se a prerrogativa couber a Gantz, ele pode atrair um ou mais partidos conservadores e se tornar primeiro-ministro.

 

Tudo o que sabemos sobre:
Binyamin NetanyahuIsrael [Ásia]

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.