Juan Carlos Cisneros/AFP
Juan Carlos Cisneros/AFP

Em eleição no Peru, famoso modelo econômico está em jogo

O pleito segue um período difícil de cinco anos em que o país teve quatro presidentes e dois congressos

Julie Turkewitz*, The New York Times, O Estado de S.Paulo

07 de junho de 2021 | 07h37

Neste domingo, os eleitores no Peru enfrentaram uma escolha elementar: mudar ou permanecer com o modelo econômico neoliberal que dominou o país nas últimas três décadas, obtendo alguns sucessos, mas falhando em fornecer apoio significativo a milhões de peruanos durante a pandemia. “O modelo falhou com muita gente”, disse Cesia Caballero, 24, produtora de vídeo. O vírus, disse ela, “foi a última gota que quebrou o vidro”.

O Peru sofreu a pior contração econômica da região durante a pandemia, empurrando quase 10% de sua população de volta para a pobreza. Na segunda-feira, o país anunciou que seu número de mortes por vírus foi quase o triplo do que havia sido relatado, elevando sua taxa de mortalidade per capita para a mais alta do mundo. Milhões ficaram desempregados e muitos despejados.

O candidato esquerdista Pedro Castillo, 51, um ativista sindical, prometeu reformar o sistema político e econômico para enfrentar a pobreza e a desigualdade, substituindo a atual constituição por uma que concederá ao Estado um papel maior na economia.

Sua oponente, Keiko Fujimori, 46, prometeu defender o modelo de livre mercado construído por seu pai, Alberto Fujimori, que foi o responsável por repelir violentas rebeliões esquerdistas na década de 1990, mas que agora é desprezado por muitos como um autocrata corrupto .

Muitos eleitores estão frustrados com suas opções. Castillo, que nunca ocupou um cargo executivo antes, fez parceria com um ex-governador radical condenado por corrupção para lançar sua candidatura. Fujimori foi presa três vezes em uma investigação de lavagem de dinheiro e pode pegar 30 anos de prisão, acusada de dirigir uma organização criminosa que traficou em doações ilegais durante uma candidatura presidencial anterior. Ela nega as acusações.

“Estamos entre um precipício e o abismo”, disse Augusto Chávez, 60, um joalheiro artesanal em Lima que disse que poderia dar uma cédula desfigurada como forma de protesto. A votação é obrigatória no Peru. “Acho que os extremos são ruins para um país. E eles representam dois extremos. ”

Castillo e Fujimori conquistaram menos de 20% dos votos cada um no primeiro turno. A eleição segue um período difícil de cinco anos em que o país teve quatro presidentes e dois congressos. E isso acontece no momento em que a pandemia eleva o descontentamento dos eleitores a novos níveis, alimentando a raiva pelo acesso desigual aos serviços públicos e a crescente frustração com os políticos presos em escândalos de corrupção aparentemente intermináveis ​​e acerto de contas políticas.

O sistema hospitalar ficou tão sobrecarregado pela pandemia que muitos morreram por falta de oxigênio, enquanto outros pagaram médicos por vagas em unidades de terapia intensiva - apenas para serem rejeitados em agonia.

“A pandemia mostrou que o problema subjacente era a ordem de prioridades”, disse David Rivera, economista e cientista político peruano. “Supostamente, estávamos economizando dinheiro há muito tempo para usar em uma crise, e o que vimos durante a pandemia foi que a prioridade continuava a ser a estabilidade macroeconômica, e não impedir que as pessoas morressem e passassem fome”.

Keiko Fujimori culpou os problemas do país não pelo modelo econômico inaugurado por seu pai e seguido por todos os presidentes depois, mas na forma como os presidentes anteriores e outros líderes o usaram. Mesmo assim, diz ela, alguns ajustes são necessários, como o aumento do salário mínimo e o pagamento de pensões para os pobres.

Ela enquadrou sua campanha contra Castillo como uma batalha entre democracia e comunismo, às vezes usando o governo de inspiração socialista da Venezuela, agora atolado em crise, como contrapeso. 

Castillo revelou pouco sobre como cumprir promessas vagas de garantir que os recursos de cobre, ouro e gás natural do país beneficiem os peruanos de maneira mais ampla. Ele prometeu não confiscar os ativos das empresas, mas renegociar contratos.

Ele disse que quer restringir as importações de produtos agrícolas para apoiar os agricultores locais, uma política que os economistas alertaram que levaria ao aumento dos preços dos alimentos. Se ele vencer, será o repúdio mais claro à elite política do país desde que Alberto Fujimori assumiu o cargo em 1990.

“O futuro do Peru é muito turbulento, vença quem vencer”, disse a socióloga peruana Lucía Dammert”. “As profundas desigualdades e profundas frustrações das pessoas se agitaram, e não há organização ou ator, sejam empresas privadas, o estado, sindicatos, para dar voz a isso”.

* É jornalista, chefe da sucursal dos Andes do jornal The New York Times

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.