Em encontro com Abbas, Olmert promete liberar US$ 100 mi

O primeiro-ministro de Israel Ehud Olmert e o presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP) Mahmoud Abbas se encontraram neste sábado, reacendendo as esperanças de que as negociações de paz possam acabar com anos de lutas, desconfianças e hostilidades. Olmert comprometeu-se a transferir US$ 100 milhões dos impostos que retém da ANP desde que o movimento islâmico Hamas assumiu o Governo palestino, em março passado, informaram o negociador palestino Saeb Erekat e a porta-voz de Olmert, Miri Eisin. Olmert também concordou em remover nos próximos dias diversos bloqueios na Cisjordânia. Porém, nenhum acordo foi feito sobre a soltura de prisioneiros palestinos, mas os dois lados concordaram em formar um comitê para discutir o assunto. Segundo Eisin, a ANP irá divulgar no domingo uma lista de nomes de prisioneiros que quer que sejam libertados.Apesar de Abbas estar pleiteando a liberação em grande escala de prisioneiros palestinos, Olmert afirma que eles não serão soltos até que militantes palestinos libertem o soldado israelense capturado em junho.A reunião durou cerca de duas horas e aconteceu na residência do primeiro-ministro israelense, em Jerusalém. O primeiro ministro israelense disse, após o encontro, que ele e Abbas concordaram em cooperar como "parceiros de verdade". Uma nota divulgada pelo escritório de Olmert descreveu como "amigável" a conversa que durou cerca de duas horas."Ambos os líderes concordaram que este encontro foi o primeiro passo para a reconstrução de confiança mútua e cooperação produtiva", diz a nota.Abbas esteve acompanhado por seu assessor pessoal, Nabil Abu Rudaina; pelo chefe para as Negociações da Organização para a Libertação da Palestina (OLP), Saeb Erekat, e pelo ex-primeiro-ministro Ahmed Qorei. O encontro, anunciado apenas algumas hora antes de ter início, marcou a primeira conversa substancial entre Israel e líderes palestinos em 22 meses. E aconteceu em um momento em que os dois líderes estão enfrentando sérios problemas políticos. Os dois líderes concordaram em marcar novos encontros, mas nenhuma data foi agendada. No início da reunião, os dois trocaram um aperto de mãos e também se beijaram. Abbas foi apresentado à esposa de Olmert, Aliza, uma artista conhecida por sua posição pacifista. Em seguida, os dois dirigentes se sentaram frente à frente em uma mesa larga, enfeitada com bandeiras israelenses e palestinas.Abbas, do Fatah, enfrenta o aumento da violência dos militantes da facção islâmica Hamas. Na semana passada, ele anunciou que chamaria eleições antecipadas para acabar com os dez meses de governo do Hamas. Este anúncio intensificou as lutas entre as forças de segurança de Abbas e do militantes do Hamas, principalmente na Faixa de Gaza.Olmert, eleito em março, perdeu muito da sua popularidade durante a guerra de Israel contra as guerrilhas do Hezbollah no Líbano, iniciada em julho deste ano. A guerra também deixou o programa política de Olmert desacreditado, que prometia deixar as fronteiras com a Cisjordânia unilateralmente até 2010.Olmert e Abbas se encontraram brevemente na Jordânia, em junho, tendo o rei Abdullah II como moderador, mas não discutiram nada substancial, e apenas concordaram em começar a preparar conversas mais concretas.O governo israelense se reunirá no domingo para estudar se continua com a política de contenção frente aos ataques com foguetes lançados a partir de Gaza ou dá por terminada a trégua alcançada em 26 de novembro, o que prejudicaria qualquer esforço sobre o processo de paz na região. Este texto foi ampliado às 19h29 e alterado com correções às 20h00

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.