AFP PHOTO / POOL / TONY GENTILE
AFP PHOTO / POOL / TONY GENTILE

Em encontro com presidente de Ruanda, papa pede perdão por genocídio no país

Francisco lembrou os horrores cometidos pela Igreja Católica em 1994, que deixou cerca de 800 mil mortos; pontífice se reuniu no Vaticano com o líder ruandês, Paul Kagame

O Estado de S.Paulo

20 de março de 2017 | 12h37

CIDADE DO VATICANO - O papa Francisco pediu perdão pelos horrores cometidos pela Igreja em Ruanda, em 1994, no encontro que teve nesta segunda-feira, 20, no Vaticano, com o presidente ruandês, Paul Kagame.

“Imploro o perdão a Deus pelos pecados e faltas da Igreja e de seus membros, entre eles padres, religiosos e religiosas, que cederam ao ódio e à violência, traíram sua missão evangélica”, afirmou o pontífice ao se referir ao genocídio em Ruanda que, em 1994, deixou cerca de 800 mil mortos.

O papa, que se reuniu por 20 minutos a portas fechadas com o presidente de Ruanda, havia oferecido em 2014 o apoio da Igreja Católica para a reconciliação no país em razão dos 20 anos de genocídio.

O massacre de quase um terço da população de Ruanda, a maioria pertencente à minoria tutsi, foi realizada pela maioria hutu ante a total indiferença do resto do mundo.

Diante do presidente africano, Francisco voltou a recordar, como fez em 2014, as vítimas do genocídio. “Manifesto a profunda dor, da Santa Sé e de toda a Igreja, pelo genocídio contra os tutsi e expresso solidariedade às vítimas e a todos que padeceram por esses trágicos eventos”, afirmou ele, segundo uma nota divulgada pelo Vaticano.

O papa também recordou o gesto de João Paulo II durante o Jubileu de 2000, quando, pela primeira vez, pediu perdão pelos horrores cometidos pelos membros da Igreja.

Cerca da metade dos ruandeses são atualmente católicos, enquanto a outra metade recorreu às igrejas pentecostais após o genocídio. / AFP

Tudo o que sabemos sobre:
RuandaPapa FranciscoGenocídio

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.