REUTERS/Carlos Barria (20/1/2021)
REUTERS/Carlos Barria (20/1/2021)

Em entrevista à Fox News, Trump encoraja americanos a tomarem a vacina contra covid

O apelo direto de Trump aos americanos ocorre quando alguns de seus apoiadores exibem ceticismo sobre tomar a vacina contra o coronavírus

Redação, O Estado de S.Paulo

16 de março de 2021 | 21h19

WASHINGTON - O ex-presidente Donald Trump recomendou nesta terça-feira, 16, que os americanos se vacinem para ajudar a combater a pandemia de covid-19, engajando-se no tema após meses de relativo silêncio.

“Eu recomendaria”, disse Trump durante uma entrevista à TV americana Fox News. “E eu recomendaria para muitas pessoas que não querem tomar a vacina e muitas dessas pessoas votaram em mim, francamente. Mas, novamente, temos nossas liberdades e temos de viver de acordo com isso e também concordo com isso. Mas é uma ótima vacina. É uma vacina segura e é algo que funciona.”

O apelo direto de Trump aos americanos ocorre quando alguns de seus apoiadores exibem ceticismo sobre tomar a vacina contra o coronavírus. Especialistas dizem que seu apoio às vacinas pode ajudar a aliviar um pouco esse ceticismo, como noticiou o site Politico.

Desde que deixou o cargo, Trump emitiu um curto comunicado assumindo o crédito pelo desenvolvimento da vacina. Além disso, o republicano não encorajou os esforços de vacinação, mesmo quando se descobriu que ele e a ex-primeira-dama Melania Trump receberam a vacina antes de deixar a Casa Branca, em janeiro. 

Alguns dos principais assessores do republicano não sabiam que ele tinha recebido a vacina e repórteres foram frequentemente informados de que era improvável que Trump fosse inoculado porque já tinha anticorpos após ter contraído o vírus em outubro. 

Enquanto Trump e Melania mantiveram a vacinação em segredo, outros ex-presidentes e primeiras-damas de ambos os partidos se uniram em uma campanha publicitária nacional que compartilhou imagens deles tomando a vacina e expôs a importância de outros fazerem o mesmo. 

Trump não apareceu no vídeo e um assessor disse ao New York Times que ele não havia sido abordado de maneira “formal” para se envolver na campanha, que começou a ser filmada enquanto ele ainda estava no cargo.

Na segunda-feira, a Casa Branca disse acreditar que o ex-presidente deveria se envolver nos esforços para vencer as reticências de parte da população em relação às vacinas, principalmente entre republicanos, mas o atual governo não pretendia pedir a ele que o faça.

"Todos os demais ex-presidentes se envolveram em campanhas de conscientização, não precisaram de um convite formal", afirmou Jen Psaki, porta-voz da Casa Branca. "Se o ex-presidente Trump acordar amanhã e decidir falar com mais clareza sobre a eficácia das vacinas, certamente estaremos a favor."

Ao ser questionado sobre o assunto, o presidente Joe Biden minimizou a importância do tema. "Conversei com minha equipe a respeito. Acreditam que o que os médicos ou funcionários locais dizem é mais importante do que o que Trump possa dizer aos apoiadores do Maga", respondeu, referindo-se ao lema de campanha de seu antecessor (Make America Great Again)./COM AFP  

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.