Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Em entrevista,Obama faz novo aceno ao Irã

Presidente indica que terá paciência com iranianos

Reuters, WASHINGTON, O Estadao de S.Paulo

25 de março de 2009 | 00h00

Em uma entrevista coletiva dominada pelas questões econômicas, o presidente americano, Barack Obama, disse ontem à noite que não espera nenhuma mudança repentina nas relações entre os EUA e o Irã, mas previu um progresso sustentado para resolver os problemas entre os dois países. Na semana passada, Obama surpreendeu ao enviar uma mensagem aos iranianos por meio de um vídeo, oferecendo um recomeço nas relações com o Irã. Os líderes iranianos qualificaram a oferta de Obama de retórica e pediram mudanças concretas. "Algumas pessoas disseram, ?eles não responderam de imediato que vão eliminar suas armas nucleares ou deixar de apoiar o terrorismo?", disse Obama. "Bem, não esperávamos isso. Esperamos obter um progresso sustentado nessa frente."Com relação ao conflito palestino-israelense, Obama reconheceu que o novo governo de Israel - formado principalmente por partidos de direita - não tornará "mais simples" a paz com os palestinos. Ele reafirmou o objetivo dos EUA de uma solução de dois Estados, onde palestinos e israelenses possam viver "lado a lado com paz e segurança". Obama disse que a escolha de George Mitchell como enviado para o Oriente Médio é um sinal de que é séria sua intenção de pressionar os dois lados a esse objetivo.AFEGANISTÃOPouco antes da entrevista, funcionários da Casa Branca afirmaram que Obama anunciará sexta-feira a nova estratégia para o Afeganistão, que contará com o envio de mais soldados americanos e um aumento de ajuda para combater os militantes na fronteira com o Paquistão. Os EUA têm 38 mil soldados no país e Obama deseja enviar mais 17 mil.A nova estratégia deve destacar que apenas as ações militares não podem vencer a guerra e qualquer outro plano deve incluir uma parceria mais forte com o Paquistão para acabar com os refúgios de militantes na região tribal. Sob o novo plano, o número das forças de segurança afegãs pode crescer para 400 mil, mais que o dobro do atual.NOVA DIPLOMACIABarack ObamaPresidente dos EUA"Algumas pessoas dizem: ?Eles (os iranianos) não disseram logo que vão eliminar armas nucleares ou abandonar o apoio ao terror.? Bem, não esperávamos isso. Esperamos que possamos obter um avanço sustentável" (Sobre a mensagem de vídeo enviada ao Irã na semana passada)"Não está mais fácil do que antes, mas é igualmente necessário. O que sei é que o status atual é insustentável e é crucial que avancemos para uma solução de dois Estados" (Sobre o que espera do novo governo de Israel em relação ao processo de paz)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.