Doug Mills/NYT
Doug Mills/NYT

Em Filadélfia, Hillary foi melhor em 2016

De um modo geral, democratas não assistiram a um imenso comparecimento dos negros nas urnas

Beatriz Bulla, correspondente, O Estado de S.Paulo

22 de novembro de 2020 | 03h30

FILADÉLFIA - Na maior cidade da Pensilvânia, Joe Biden teve desempenho ligeiramente pior entre os negros do que Hillary Clinton, em 2016. Ele ganhou espaço nos subúrbios e conseguiu neutralizar o apoio que Donald Trump recebeu em outras áreas do Estado. É o caso do condado de Chester, onde 70% da população é negra. Biden teve 182 mil votos no condado – 41 mil a mais do que Hillary em 2016. Trump teve 128 mil votos, 12 mil a mais do que na eleição passada. 

De um modo geral, porém, os democratas não assistiram a um imenso comparecimento dos negros nas urnas. O caso mais simbólico talvez seja o da Geórgia, onde a proporção de negros entre os eleitores se manteve praticamente estável, ao redor de 27% do total dos eleitores. Com Barack Obama, a fatia do eleitorado negro chegou a 30%. Biden ganhou no Estado, que havia eleito um democrata pela última vez em 1992, e com intenso apoio dos negros, mas não com a força imaginada pela campanha. 

“O maior efeito negativo para a campanha de Trump foi em razão do voto de eleitores com diploma universitário – inclusive homens e mulheres brancos. A questão são os subúrbios, que têm população bem instruída, mas também são incrivelmente diversos racialmente”, afirma Rachel Bitecofer, responsável pelo site de projeções The Cycle. 

Em 2016, o não comparecimento dos negros às urnas foi um problema para Hillary. Trump chegou a agradecer aos negros por não terem votado na democrata. “Eles não compareceram. E isso foi grande. Então, obrigado à comunidade negra”, afirmou o republicano, um mês após a vitória. Na época, os números mostraram que cerca de 1,6 milhão de negros que haviam votado em Obama não foram votar em Hillary. Em Estados do Meio-Oeste, como a Pensilvânia, onde Trump ganhou por apenas 44 mil votos, em 2016, as margens importam e, desta vez, favoreceram Biden. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.