Em Gaza, 5 palestinos são mortos em ações militares de Israel

O Exército de Israel matou cinco palestinos na Faixa de Gaza nesta quinta-feira (21), entre os quais três suspeitos de usar um lança-foguetes para disparar mísseis rústicos na direção da cidade israelense de Sderot.De acordo com um comunicado divulgado pelo comando militar israelense, os três suspeitos foram atingidos por uma cápsula de artilharia em Beit Lahiya, uma cidade do norte da Faixa de Gaza.Entretanto, familiares asseguram que nenhum dos três homens assassinados no episódio militava em grupos armados palestinos e afirmaram que os três apenas pastoreavam ovelhas no momento em que foram atacados. Fontes palestinas disseram que os mortos eram três jovens pastores de 14, 15 e 16 anos e familiares asseguram que nenhum dos três homens assassinados no episódio militava em grupos armados palestinos. Mas o jornal Haaretz diz que a Força de Defesa Israelense alega que o trio tinha participado do lançamento de foguetes para dentro do território de Israel, nesta quinta-feira.No extremo sul de Gaza, o Exército israelense matou um suposto militante palestino de 28 anos e uma mulher de 37 durante uma incursão militar na região de Rafah, disseram fontes palestinas.Durante a ofensiva, uma cápsula de artilharia israelense atingiu uma casa, ferindo quatro membros de uma mesma família, um deles gravemente, disseram as fontes.O Exército israelense alega que conduzia uma operação de busca e apreensão na periferia de Rafah e informou que diversas pessoas foram detidas. O Exército admitiu ter matado um homem armado durante a ofensiva, mas não fez menção à mulher morta.As forças israelenses, que atuam na região há dias, segundo fontes palestinas, entraram em Rafah nesta madrugada com o objetivo de localizar túneis subterrâneos cavados por milicianos palestinos.Segundo os militares, foi encontrado o túnel usado por comandos palestinos que em 25 de junho chegaram até uma base militar em território israelense, no sul da faixa mediterrânea, e seqüestraram o soldado Gilad Shalit.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.