Em imitação, rival socialista insulta Sarkozy

Candidato à presidência pelo PS, François Hollande diz, durante jantar com jornalistas, que seu adversário nas eleições é 'cara sujo', mas 'corajoso'

ANDREI NETTO , CORRESPONDENTE / PARIS, O Estado de S.Paulo

05 de janeiro de 2012 | 03h02

Uma imitação do presidente da França, Nicolas Sarkozy, feita pelo candidato do Partido Socialista (PS) ao Palácio do Eliseu, François Hollande, incendiou o início da campanha eleitoral. A quatro meses da votação, Hollande afirmou que, aos olhos do público, o chefe de Estado pode ser visto como "um cara sujo", mas "corajoso".

As afirmações levaram o maior partido da direita, a União por um Movimento Popular (UMP), de Sarkozy, a exigir desculpas, enquanto socialistas denunciaram a manipulação das palavras. As declarações foram feitas durante um jantar promovido por Hollande e líderes do PS com oito jornalistas franceses, em um encontro "off the record" - onde o que é dito serve como bastidores da notícia, mas não pode ser gravado, nem tem caráter oficial. O teor da conversa, ocorrida em Paris, foi revelado ontem pelo jornal Le Parisien, que ignorou o acordo de sigilo.

Hollande colocava-se no lugar de Sarkozy quando deu a declaração. "Ele vai à frente dos franceses e vai dizer: 'Eu sou um presidente fracassado há cinco anos, eu sou um cara sujo, mas, neste período difícil, eu sou o único capaz de governar, eu tenho a coragem de enfrentar a impopularidade. Elejam-me'".

O socialista referia-se à defesa que Sarkozy poderia fazer de seu mais recente projeto, o polêmico TVA "social" - um "ICMS" francês -, com o qual o presidente pretende financiar o Estado de bem-estar social. Mas as declarações foram publicadas pelo Parisien de uma forma descontextualizada. No texto, o jornal descrevia sua visão das afirmações do candidato socialista. "Para Hollande, não há mistério: o chefe de Estado é 'um presidente fracassado', um 'cara sujo' que se esconde atrás das fórmulas da UMP", diz a matéria.

Com a polêmica, o jornal publicou uma retificação em seu site: "O candidato socialista não tratou oficialmente o chefe de Estado de 'cara sujo'. Mas a escolha do termo para ilustrar seu raciocínio diz muito sobre a estima que ele tem sobre seu adversário." A correção, entretanto, chegou tarde. Ao término da reunião do Conselho de Ministros, os altos funcionários do governo correram aos microfones para criticar o "desequilíbrio" das declarações. Claude Guéant, ministro do Interior, afirmou à rádio Europe 1 que as afirmações eram inaceitáveis. Nadine Morano, ministra do Ensino, exigiu "desculpas públicas".

A réplica socialista veio à noite, durante comício do PS. Visivelmente irritado, Hollande retrucou: "É bom usar essa polêmica para dizer: 'Basta!'". Segundo o líder socialista, a UMP tenta estimular falsas polêmicas para abalar seu adversário.

O primeiro turno das eleições presidenciais será realizado em abril. Hollande é o líder das pesquisas, com 27%, enquanto Sarkozy tem 24%.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.