AP Photo/Tsafrir Abayov
AP Photo/Tsafrir Abayov

Em Israel, judeus ultraortodoxos demonstram ceticismo com coronavírus

No bairro de Geoulah, em Jerusalém, calçadas seguem lotadas, apesar das regras de confinamento

Redação, O Estado de S.Paulo

19 de março de 2020 | 17h49

JERUSALÉM - Apesar de a pandemia do coronavírus já ter infectado mais de 200 mil pessoas em 150 países e a Organização Mundial de Saúde (OMS) ter qualificado a situação como uma ameaça sem precedentes, judeus ultraortodoxos israelenses do bairro de Geoulah, no centro de Jerusalém, parecem viver em uma realidade diferente.

O bairro contrasta com outras regiões do próprio país, em que o policiamento tem exigido a população a respeitar as medidas de confinamento impostas desde 17 de março. Por ali, judeus ultraortodoxos de todas as idades lotam as calçadas com seus casacos pretos e chapéus típicos.

As lojas continuam abertas e as crianças, sem aulas, andam com seus pais e mães. No último dia de 17 de março, imagens de uma televisão local mostraram uma reunião com mais de 150 ultraortodoxos, algo que não poderia ocorrer no país após o decreto. Os ultraortodoxos (haredim) respeitam rigorosamente as normas do judaísmo em todos os aspectos da vida diária e espiritual.

Para Entender

Coronavírus: veja o que já se sabe sobre a doença

Doença está deixando vítimas na Ásia e já foi diagnosticada em outros continentes; Organização Mundial da Saúde está em alerta para evitar epidemia

O rabino mais influente de Israel, Chaim Kanievsky, de 92 anos, se recusou a ordenar o fechamento de instituições educativas asquenazes, que o seguem.

"O exército israelense depôs suas armas? Os soldados pararam de patrulhar as fronteiras? Nós pensamos que o que salvará o mundo são as crianças que estudam a Bíblia", afirmou Yitzchak Pindrus, conselheiro de Kanievsky, ao jornal francês Le Monde. "Sem elas, o mundo não vai sobreviver e esse perigo é maior que o do coronavírus". 

"Alguns rabinos não concordam com o Estado secular e sionista. Isso os faz ignorar as regras dos dirigentes políticos", explica o historiador do judaísmo Kimmy Caplan, da Universidade Bar-Ilan, de Tel Aviv. 

Nesta quinta-feira, 19, o governo de Israel endureceu as medidas de confinamento. "Sob essas ordens, vocês, cidadãos de Israel, são obrigados a ficar em casa. Não é mais uma solicitação, não é uma recomendação, é uma diretiva obrigatória que será aplicada por autoridades da lei", disse o primeiro-ministro Binyamin Netanyahu. 

Receba as principais atualizações sobre o coronavírus no seu email. Clique aqui e se inscreva.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.