Khalil Hamra/AP
Khalil Hamra/AP

Em jogo, o equilíbrio entre democracia e secularismo no Egito

Manifestantes veem a nova onda de protestos como a continuação de uma revolução inconclusa

O Estado de S.Paulo

23 de novembro de 2011 | 03h03

Cenário: Lourival Sant'Anna

CAIRO - Os manifestantes veem a nova onda de protestos como a continuação de uma revolução inconclusa, a batalha final contra o verdadeiro inimigo: a cúpula militar. As últimas atitudes do marechal Mohamed Tantawi apenas comprovaram o déjà vu. Primeiro, veio a repressão. Agora, Tantawi faz concessões tardias.

Veja também:

especialInfográfico:  A revolução que abalou o mundo árabe

som TV Estadão: Veja imagens dos protestos na praça Tahrir

mais imagens GALERIA: Enfretamentos no centro do Cairo

documento Artigo: Entre Teerã de 1979 e Berlim de 1989

blog Radar Global: Personagens, curiosidades e análises da crise

Durante nove meses, o amplo espectro da sociedade que derrubou Hosni Mubarak esperou a definição de um calendário que conduzisse à transição democrática, entendida como a transferência do poder dos militares para os civis. Nesse período, assistiram à consolidação do poder dos militares, mais ocupados em conformar a nova Constituição aos seus interesses. O auge desse processo foi a divulgação, no início do mês, de um plano que dava aos militares poderes para nomear 80% dos constituintes, esvaziando o novo Parlamento e blindando as Forças Armadas da ingerência dos civis.

Curiosamente, os liberais pensaram que os militares pudessem ser a garantia do Estado secular, como na Turquia. Por isso, os protestos foram lançados pela Irmandade Muçulmana, cujo novo partido, Liberdade e Justiça, é favorito nas eleições. O medo de ganhar e não levar os levou às ruas e, em seguida, os tirou - diante do risco de cancelamento das eleições. Por isso, este é um momento definidor: está em jogo não só o papel dos militares, mas o difícil equilíbrio entre democracia e secularismo.

Tudo o que sabemos sobre:
EgitoPrimavera Árabe

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.