Brandon Bell/Getty Images/AFP
Brandon Bell/Getty Images/AFP

Em leito de hospital, Jacob Blake grava vídeo dizendo que 'dói respirar'

Apesar dos ferimentos, homem baleado sete vezes por policial disse que 'há muito mais vida para viver'

Redação, O Estado de S.Paulo

07 de setembro de 2020 | 09h01

WASHINGTON - Jacob Blake, o homem negro que foi baleado sete vezes pelas costas por um policial branco em Wisconsin, afirmou que "dói respirar" e que sente dor constante em uma mensagem de vídeo gravada no leito do hospital onde se recupera. Apesar dos ferimentos, que provavelmente o deixarão paraplégico, Blake disse a seus seguidores que "há muito mais vida para viver".

"Eles podem tirar sua vida assim (estalar de dedos), cara, e não apenas sua vida, suas pernas - algo que você precisa para andar e continuar a vida", disse Blake no vídeo postado no sábado por seu advogado Ben Crump

"Vinte e quatro horas, as 24 horas eu tenho dor, apenas dor", contou no vídeo. E completou: "Dói respirar, dói dormir, dói quando sou virado, dói para comer."

O homem de 29 anos foi ferido por um policial que atirou nele sete ou oito vezes quando ele entrava em seu carro, no qual três de seus filhos estavam, no dia 23 de agosto, em Kenosha, no estado de Wisconsin. A ação foi filmada por transeuntes e os dois policiais que tentaram prender Blake foram suspensos.

"Por favor, mudem suas vidas aí fora. Podemos estar juntos, ganhar algum dinheiro, tornar tudo mais fácil para o nosso povo lá fora, cara, porque muito tempo foi perdido", disse.

Três meses após a morte de George Floyd, os tiros contra Blake geraram uma nova onda de manifestações em várias cidades.  Os protestos de Kenosha começaram pacificamente na noite em que Blake foi baleado, mas a violência aumentou nas noites seguintes.

Em 25 de agosto, duas pessoas morreram nas manifestações. Um jovem branco de 17 anos, partidário de Donald Trump, foi preso e acusado dos assassinatos. O candidato democrata à presidência Joe Biden falou com Blake por telefone e se encontrou com sua família./ AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.