Reprodução/Facebook
Reprodução/Facebook

Em live, Bolsonaro reforça apoio a Trump e rebate Lula

Presidente fez transmissão nas redes sociais na qual aparecia assistindo ao discurso do presidente americano

Julia Lindner e Emilly Behnke, O Estado de S.Paulo

08 de janeiro de 2020 | 14h20
Atualizado 08 de janeiro de 2020 | 19h56

BRASÍLIA – Em pleno conflito entre Irã e EUA, Jair Bolsonaro participou nesta quarta-feira, 8, de uma transmissão ao vivo nas redes sociais na qual aparecia assistindo ao discurso do presidente americano, Donald Trump, na TV. Ao final do vídeo, Bolsonaro afirmou que muitos acham que o Brasil deve se “omitir” na crise e fez diversas críticas ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva

Também nesta quarta-feira, 8, Lula criticou a atuação de Bolsonaro na crise entre Irã e EUA. Em entrevista ao site Diário do Centro do Mundo, o petista defendeu que “o momento não é adequado para o Brasil se meter em uma briga externa” e chamou Bolsonaro de “lambe-botas do Trump”.

“Muitos acham que o Brasil deve se omitir no tocante aos acontecimentos. Só quero dizer uma coisa: o senhor Luiz Inácio Lula da Silva, enquanto presidente da República, esteve no Irã e lá defendeu que aquele regime pudesse enriquecer urânio acima de 20%, que seria para fins pacíficos”, disse Bolsonaro durante a live, que durou cerca de 10 minutos.

Na transmissão, Bolsonaro ficou o tempo todo sentado, segurou um exemplar da Constituição e marcou alguns trechos com marca-texto. Sobre um deles, citou que o Brasil tem como princípio das relações internacionais a “defesa da paz e o repúdio ao terrorismo”.

O presidente o também afirmou que “nós temos de seguir as nossas leis e não podemos extrapolar”. “Acredito que a verdade tem de fazer parte do nosso dia a dia, que nós queremos paz no mundo”, declarou. Em seguida, Bolsonaro voltou a dizer que Lula defendeu que o Irã enriquecesse urânio acima de 20% para fins pacíficos. 

Na verdade, o acordo de 2010, firmado por Lula com iranianos e turcos, exigia que o Irã enviasse urânio de baixo enriquecimento para a Turquia. A medida limitaria a capacidade do regime de Teerã de produzir uma bomba nuclear.

Para Entender

Quem era Qassim Suleimani, general assassinado em ataque dos EUA

Militar conseguiu costurar importantes alianças dentro e fora do Oriente Médio

O porta-voz da presidência da República, Otávio do Rêgo Barros, afirmou que o presidente Bolsonaro avaliou como “sereno e firme” o discurso do presidente sobre os ataques ocorridos a bases usadas pelos EUA no Iraque. Segundo o porta-voz, Bolsonaro interpretou a fala de Trump como uma ação no sentido de evitar as escaladas da tensão entre os Estados Unidos e a nação persa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.