Em Malta, população apoia divórcio em referendo

Malta, um pequeno arquipélago do Mediterrâneo, deverá legalizar o divórcio, após um referendo promovido ontem ter resultado em 52,67% dos votantes a favor da permissão. O país, de maioria católica, era o último da União Europeia que ainda bania o divórcio.

AE, Agência Estado

29 de maio de 2011 | 18h34

O primeiro-ministro, Lawrence Gonzi, que havia feito campanha contra, disse que o Parlamento deve respeitar a vontade do povo expressa pelo referendo e trabalhar numa legislação para legalizar o divórcio. "Mesmo que o resultado não tenha sido o que eu queria, agora é nosso dever respeitar a vontade da maioria", disse Gonzi em entrevista à televisão.

O debate em torno da questão foi acalorado no país. "Essa é uma sociedade conservadora, mas os malteses ainda vivem como europeus. Isso regulariza suas vidas", disse o analista Saviour Balzan, cujo jornal, o Malta Today, apoiava o divórcio. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Maltadivórcioreferendolegalização

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.