Ruth Fremson/The New York Times
Ruth Fremson/The New York Times

Em meio à disputa acirrada, milhares de cédulas enviadas pelo correio perdem prazo eleitoral

Serviço postal descumpriu determinação de um juiz federal para inspecionar locais de processamento na terça, depois que mais de 300 mil cédulas não tiveram registro localizado

Redação, O Estado de S.Paulo

04 de novembro de 2020 | 17h15

Quase 7% das cédulas nos serviços de correio dos EUA  não foram processadas a tempo de serem submetidas aos funcionários eleitorais na terça-feira, de acordo com dados que a agência registrou nesta quarta-feira, 4, na Justiça. 

Os correios processaram 115.630 cédulas na terça-feira, volume menor do que nos últimos dias, após semanas de avisos sobre atrasos crônicos no serviço postal. Desse total, cerca de 8 mil cédulas não foram processadas dentro do prazo, uma pequena proporção, mas que pode pesar em Estados como Michigan e Wisconsin, que não aceitam cédulas após o dia da eleição e podem ser decididos por alguns milhares de votos.

Na terça, o juiz Emmet G. Sullivan, do Distrito de Columbia, ordenou que o serviço postal inspecionasse 12 instalações, alcançando serviços em 15 Estados. Mas a agência descumpriu a ordem, afirmando que seguiria seu próprio cronograma de inspeção.

A determinação veio após os correios divulgarem que não havia sido possível localizar mais de 300 mil cédulas em todo o país. Essas cédulas tiveram registro de entrada nas instalações de processamento, mas não de saída. 

Sullivan dera à agência de correio até 15h30 de terça (horário local) para garantir que as cédulas encontradas fossem entregues antes do fechamento das urnas. Mas, em um processo enviado ao tribunal pouco antes das 17h, a defesa dos correios disse que a agência não acataria a ordem por impossibilidade de readequar o horário dos funcionários envolvidos.

“Dadas as limitações de tempo estabelecidas pela ordem deste tribunal, e o fato de que os inspetores postais operam em uma base nacional, os réus não conseguiram acelerar o processo de revisão diária das 12h30 às 15hs em interromper significativamente as atividades pré-existentes no dia da eleição”, afirmou o advogado da defesa John Robinson.

Segundo escreveu o porta-voz dos correios, David Partenheimer, em um email, os correios começaram inspeções de correspondência eleitoral em janeiro, para procurar correspondência política perdida (como anúncios de campanha) e correspondência eleitoral (cédulas, formulários de voto e informações de registro de eleitor). 

O serviço de inspeção da agência, segundo ele, conduziu conduziu revisões diárias em 220 instalações de processamento de votos desde quinta-feira.

Para Entender

Como funciona a escolha do presidente dos EUA

No dia 3 de novembro de 2020, 224 milhões de eleitores americanos irão às urnas e darão seu veredicto sobre a presidência de Donald Trump; veja o que mais está em jogo

De acordo com os dados que a agência apresentou ao tribunal a pontuação do processamento de cédulas - que indica a proporção de cédulas classificadas, postadas e transportadas dentro da janela de serviço de um a três dias da agência - pioraram no período que antecedeu o dia da eleição. Em 28 estados, os funcionários eleitorais devem receber as cédulas até o final do dia da eleição para que elas possam ser contadas.

Segundo especialistas, a agência deve ser capaz de processar 97% das cédulas recebidas. Mas os dados mostram que os correios não cumpriram essa marca em sete dos oito dias. E nos últimos cinco dias, as pontuações de processamento caíram, de 97,1% em 28 de outubro para 89,6% na segunda-feira. O serviço postal não informou os dados de domingo. /WP

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.