Em meio a crise, Evo Morales nomeia novos ministros

O presidente da Bolívia, Evo Morales, nomeou na noite de terça-feira seu novo ministro do Interior, Wilfredo Chávez, em substituição a Sacha Llorenti Solíz, que apresentara sua demissão horas antes, informa o site do jornal La Prensa. Evo Morales também anunciou Rubén Saavedra como o novo titular da pasta da Defesa, que estava vazia deste a renúncia, na segunda-feira, de Cecilia Chacón, que deixou o cargo em protesto à repressão contra um grupo de indígenas no domingo.

PRISCILA ARONE E ANDRÉ LACHINI, Agência Estado

28 Setembro 2011 | 11h57

Os indígenas protestavam contra a construção de uma rodovia na amazônia boliviana. Financiada pelo governo brasileiro, a rodovia ligará a fronteira do Brasil ao altiplano boliviano.

As imagens da repressão provocaram uma crise no governo de Evo Morales, cuja base eleitoral é justamente formada pela maioria indígena que compõe a população boliviana. Na manhã de terça-feira, Evo anunciou que a construção da rodovia foi suspensa até que uma solução para a crise seja negociada.

De acordo com o La Prensa, o presidente pediu desculpas pelos excessos cometidos pelos policiais no domingo, mas condenou os ataques ao governo e exigiu provas sobre a morte de um menino. "Quero que me mostrem o menino morto", disse ele.

Segundo Evo, "o melhor opositor de Evo Morales são os meios de comunicação". Ele responsabilizou duas rádios e um meio impresso pela articulação da reação contra seu governo.

Já o advogado e ativista pelos direitos humanos Waldo Albarracín acusou os meios de comunicação estatais de manipular as informações e de serem parciais em relação ao governo, segundo matéria publicada no site do jornal El Diário. De acordo com Albarracín, as informações divulgadas pelos meios estatais minimizam os acontecimento reais.

Mais conteúdo sobre:
Bolíviapolíticacrise

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.