Assessoria de Imprensa Miraflores / EFE
Assessoria de Imprensa Miraflores / EFE

Em meio à crise política na Venezuela, Maduro convida população a celebrar carnaval

Presidente chavista, que ainda não se pronunciou sobre o retorno de Juan Guaidó, fez um convite aos venezuelanos para desfrutarem do feriado e ‘das belezas naturais’ do país

Redação, O Estado de S.Paulo

04 de março de 2019 | 15h25

Enquanto a Venezuela vive uma grave crise política, marcada nesta segunda-feira, 4, pelo retorno do líder opositor e presidente interino, Juan Guaidó, ao país sob o perigo de ser preso pelo regime chavista por desafiar uma proibição judicial, o presidente Nicolás Maduro convidou os venezuelanos a celebrarem o feriado de carnaval.

+ Entenda por que a Venezuela está em crise

“Convido a família venezuelana a desfrutar do #CarnavalFeliz2019 e das belezas naturais que nos oferece nossa amada Venezuela”, escreveu ele em sua conta no Twitter.

Maduro ainda não se pronunciou sobre o retorno de Guaidó ao país. O líder opositor foi recebido por dezenas de partidários e embaixadores no Aeroporto Internacional de Maiquetía. "Acabamos de passar pela imigração e seguiremos para onde está o nosso povo. Entramos como cidadãos livres, que ninguém nos diga o contrário", escreveu ele no Twitter.

"Seguimos nas ruas, seguimos mobilizados. Estamos aqui na Venezuela. Estamos aqui mais fortes", declarou Guaidó, enquanto seus simpatizantes gritavam "Guaidó, Guaidó".

Vestidos de branco, com bandeiras da Venezuela, centenas de apoiadores se concentraram em uma praça do leste da capital. Ao chegar ao local, Guaidó disse à população que "Maduro não pode deter este povo bravo que se mantém nas ruas". "Não vai ser por meio de ameaças que vão nos deter", afirmou o líder opositor.

O presidente interino convocou uma nova marcha para o sábado 9 com o objetivo de redobrar a pressão contra o governo de Maduro. "No sábado continuamos nas ruas, toda a Venezuela volta às ruas. Não ficaremos nem um segundo tranquilos até conseguir a liberdade", ressaltou. / Com AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.