Jahi Chikwendiu/WASHINGTON POST
Jahi Chikwendiu/WASHINGTON POST

Em meio à crise venezuelana, casos de pirataria crescem 163% no Caribe

Organização Oceans Beyond Piracy registrou 71 ataques na região em 2017, incluindo roubos a navios mercantes, pesqueiros e iates

Anthony Faiola, THE WASHINGTON POST / CEDROS, TRINIDAD E TOBAGO, O Estado de S.Paulo

14 Agosto 2018 | 05h00

Séculos depois de os canhões do Barba Negra silenciarem e as bandeiras dos piratas sumirem dos portos do Caribe, a região enfrenta uma nova era, menos romantizada, de pirataria. São os reflexos da crise econômica e também política na Venezuela, que leva criminalidade a alguns de seus vizinhos. Os alvos vão de iates a navios pesqueiros.

A tripulação do Asheena navegava em abril sob a luz do sol no azul cobalto do mar caribenho, quando um barco apareceu no horizonte. “Estávamos em busca do nosso peixe vermelho como de hábito, achei que eles estavam pescando também”, disse Jimmy Lalla, de 36 anos, membro do grupo que pescava nas águas de Trinidad.

O outro barco continuava se aproximando. “Eles estão precisando de ajuda?”, foi o que Lalla pensou quando o barco se emparelhou com sua piroga. Um homem saltou a bordo, gritando em espanhol e empunhando uma pistola. “Então entendemos. Eles eram piratas.”

Com frequência, dizem observadores, os atos criminosos parecem ter a cumplicidade ou o envolvimento direto de autoridades corruptas, particularmente nas costas da Venezuela.

“É o caos, o salve-se quem puder ao longo da costa venezuelana” disse Jeremy McDermott, codiretor da Insight Crime, que estuda o crime organizado na América Latina e no Caribe.

+ Casal responde mensagem jogada ao mar há 33 anos e recebe retorno

Faltam dados mais amplos sobre a pirataria no Caribe e América Latina. Mas um estudo realizado pela organização Oceans Beyond Piracy registrou 71 incidentes importantes na região em 2017 – incluindo roubos de navios mercantes e ataques a iates – um aumento de 163% dos casos em relação a 2016. E a grande maioria ocorreu em águas caribenhas.

Em abril, homens usando máscaras subiram a bordo de quatro barcos de pesca das Guianas a quase 50 quilômetros da costa do país sul-americano. Os membros das tripulações, segundo sobreviventes, foram embebidos em óleo quente, esquartejados e lançados ao mar, e os barcos roubados. Das 20 vítimas, 5 sobreviveram.

“Eles disseram que iam tomar o barco e todo mundo devia saltar no mar”, disse o sobrevivente Deonarine Goberdhan, de 47 anos. “Tentei manter minha cabeça fora d’água para respirar. Bebi muita água. Olhei para as estrelas e a lua, e rezei”, disse. 

Há relatos de pirataria nos últimos 18 meses perto de Honduras, Nicarágua, Haiti e Santa Lucia. Mas em nenhum lugar esse aumento é mais notório do que nas costas da Venezuela, afirmam analistas.

A crise econômica venezuelana desencadeou uma inflação que em 2018 deve chegar a 1.000.000%, segundo o FMI, provocando uma escassez de alimento e remédios. A desnutrição é generalizada, as doenças não têm controle e as redes de água e energia estão deficientes. Policiais e soldados estão abandonando seus postos à medida que o salário perde seu valor. 

As condições de vida estão levando alguns venezuelanos a ações desesperadas. Um funcionário portuário venezuelano disse que a Guarda Costeira tem abordado navios ancorados, exigindo dinheiro e comida. Os navios comerciais ancoram cada vez mais distante, e desligam motores e luzes para não serem vistos à noite.

Em julho, um navio da companhia local Conferry, que presta serviços de transporte para ilhas venezuelanas vizinhas, foi atacado por três homens com facas e armas. Quatro membros da tripulação ficaram amarrados por horas e toda comida e aparelhos eletrônicos foram roubados. Em janeiro, em Puerto La Cruz, sete ladrões subiram a bordo de um navio-tanque ancorado. Amarraram o oficial de guarda e roubaram suas provisões. Incidentes similares foram reportados desde então, segundo a Commercial Crime Services.

Trinidad e Tobago, com 1,4 milhão de habitantes, que fica ao alcance da vista da costa venezuelana, vem se preocupando há bastante tempo com o crime emanando do país vizinho. Cinco pescadores de Trinidad, no porto de Cedros, disseram ter presenciado um aumento de barcos venezuelanos nos últimos meses traficando armas militares, drogas, mulheres e animais exóticos.

“Às vezes esses venezuelanos procuram trocar armas e animais por comida”, disse um pescador. Outro disse ter sido mantido preso durante horas em janeiro por piratas que falavam em espanhol e seu irmão foi obrigado a pagar a eles um resgate de US$ 500.

Para os que vivem da pesca nas águas quentes do Caribe, a pirataria é uma nova fonte de medo. Hoje os moradores pescam mais perto da costa e às vezes à noite para diminuir o risco de ataques.

“Isso me lembra como os problemas começaram na costa da África oriental”, afirmou Roodal Moonilal, parlamentar do partido de oposição United National Congress, referindo-se ao drástico aumento de sequestros de navios na costa da Somália há alguns anos. “O que estamos observando – pirataria e contrabando – é resultado do colapso econômico e político da Venezuela”. / TRADUÇÃO DE TEREZINHA MARTINO

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.