Em meio a críticas, Rodman canta 'Parabéns' a Kim Jong-un

Ex-astro da NBA liderou canção de aniversário improvisada para líder norte-coreano antes de jogo comemorativo

Reuters e AP, O Estado de S.Paulo

09 de janeiro de 2014 | 02h02

PYONGYANG - O ex-jogador americano de basquete Dennis Rodman comandou ontem o Parabéns a Você para o líder norte-coreano, Kim Jong-un, diante de uma plateia em Pyongyang antes de participar de um jogo de exibição com outros astros aposentados da NBA. Na terça-feira, Rodman fez declarações polêmicas sobre o americano Kenneth Bae, condenado a 15 anos de prisão no país comunista.

Rodman foi à Coreia do Norte acompanhado de Kenny Anderson, Cliff Robinson e Vin Bakerde, todos ex-jogadores da NBA que já participaram do Jogo das Estrelas.

Acredita-se que o aniversário de Kim tenha sido ontem, o que não foi confirmado. A idade do líder é estimada em 32 anos.

"(A canção) começou de um jeito surreal. Daí, as pessoas aderiram. Mas Rodman parecia bastante sincero", disse Simon Cockerell, guia turístico que assistiu ao jogo. A canção de aniversário entoada por Rodman, segundo o guia, "foi inesperada, provavelmente não planejada". "Kim Jong-un parecia sorrir, mas não parecia esperar."

Cockerell, que acompanhava clientes da sua agência, a Koryo Tours, especializada em Coreia do Norte, disse que a plateia se levantou e aplaudiu Kim por cerca de seis minutos quando ele apareceu com sua mulher.

"Dennis Rodman fez um discurso charmosamente caótico, em que agradeceu a Kim Jong-un e a mulher dele por aparecerem e aos outros jogadores por terem a coragem de juntarem-se a ele nesse 'esforço de aproximação'."

Essa foi a quarta viagem de Rodman a Pyongyang. Nas duas primeiras, ele jantou com Kim, com quem diz ter uma genuína amizade. Na terceira vez, porém, o astro não se encontrou com o líder. Rodman diz que não pretende interferir na política norte-coreana, mas causou mal-estar ao insinuar em uma entrevista transmitida na terça-feira que o missionário coreano-americano Kenneth Bae seria culpado por estar preso na Coreia do Norte. "Se você entender o que Kenneth Bae fez... Você entende o que ele fez nesse país? Por que está preso nesse país?", disse Rodman em entrevista cheia de palavrões à CNN, na qual se recusou a explicar o sentido das suas declarações. O missionário é acusado de conspiração.

Repercussão. O ex-governador do Estado do Novo México Bill Richardson disse à CNN que os comentários de Rodman foram prejudiciais e os norte-coreanos estão usando o ex-jogador para enviar uma mensagem para os EUA. "Obviamente, Rodman recebeu informações dos norte-coreanos. Eles o veem como uma ligação com os EUA, porque não querem conversar diretamente conosco."

O porta-voz da Casa Branca, Jay Carney, afirmou que não comentaria uma viagem privada, não endossada pelo governo. "Só vou dizer que continuamos extremamente preocupados com a saúde de Bae e pedimos que as autoridades norte-coreanas concedam uma anistia por questões humanitárias."

Terri Chung, irmã do missionário, disse que a família está ultrajada com as declarações de Rodman. "Ele está claramente desinformado sobre o caso e certamente não tem condições de fazer nenhum julgamento", afirmou, acrescentando que seu irmão nunca teve intenções hostis contra a Coreia do Norte.

Bae, de 45 anos, foi preso em 2012 quando comandava um grupo de visitantes no norte do país. Ele foi sentenciado a 15 anos de prisão, sob a acusação de usar visitas turísticas como fachada para desestabilizar o regime.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.