Em meio a divisões, ONU tenta votar solução para o Líbano

Representantes diplomáticos nas Nações Unidas tentam nesta terça-feira chegar a um acordo para a aprovação de uma resolução para pedir o fim das hostilidades no Oriente Médio.Espera-se que a proposta possa ser votada ainda nesta terça-feira.Uma delegação da Liga Árabe viajou na segunda-feira a Nova York para participar das discussões no Conselho de Segurança e pressionar para que a possível resolução peça um cessar-fogo imediato e a retirada das forças israelenses do sul do Líbano.O governo libanês disse estar preparado para enviar até 15 mil soldados ao sul do país quando as forças israelenses deixarem a região. Mas Israel rejeitou a idéia.Na semana passada, o primeiro-ministro de Israel, Ehud Olmert, havia dito que a suspensão da ofensiva israelense contra o grupo militante Hezbollah dependia da chegada de uma força internacional de paz à região.?Fim das hostilidades?O texto atualmente em discussão na ONU, elaborado por França e Estados Unidos, pede o "fim das hostilidades" e abre caminho para uma segunda resolução, que criaria uma força de paz internacional no sul do Líbano.Os Estados Unidos e a França desejam que a proposta seja votada logo, para que o plano não naufrague.Membros do governo israelense se disseram amplamente satisfeitos com a proposta de resolução.Mas o ministro da Defesa israelense, Amir Peretz, disse que Israel aumentará sua ofensiva contra os pontos de lançamento de mísseis do Hezbollah se o processo diplomático não tiver sucesso.Mais de 900 libaneses, em sua maioria civis, já foram mortos desde o início do conflito. Do lado israelense, os mortos são mais de 90 - soldados em sua maioria.BombardeiosEm meio às discussões diplomáticas, Israel manteve na madrugada os bombardeios ao Líbano, depois que ao menos 49 pessoas morreram em conseqüência dos ataques aéreos israelenses na segunda-feira. O Exército israelense havia advertido os moradores do sul do Líbano a ficarem dentro de casa a partir das 22h de segunda-feira (16h de Brasília).A ofensiva israelense foi respondida na segunda-feira com mais de cem mísseis disparados pelo Hezbollah, que deixaram alguns israelenses feridos.Três soldados israelenses também foram mortos em combates na vila libanesa de Bint Jbeil, segundo informou o Exército israelense, acrescentando que cinco militantes do Hezbollah também teriam sido mortos.O Exército israelense disse ter derrubado um avião espião não-tripulado do Hezbollah - o primeiro do tipo destruído desde o início do conflito, no dia 12 de julho.O Exército israelense também divulgou imagens de vídeo que mostram um combatente do Hezbollah confessando ter participado da captura de dois soldados israelenses, no dia 12 de julho. A captura foi o estopim para o conflito.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.