Em meio à escalada da violência, Bremer vai a Washington

Em meio a uma série de atentados e ofensivas dos rebeldes iraquianos - incluindo o lançamento de foguetes contra o quartel-general dos EUA em Bagdá -, o administrador civil americano no Iraque, Paul Bremer, deixou hoje inesperadamente o país para conversas reservadas em Washington. Marcando a escalada das ações dos insurgentes iraquianos, o complexo onde se localiza a administração da ocupação americana em Bagdá, na área conhecida como "zona verde", foi atacada hoje com pelo menos quatro foguetes que danificaram veículos estacionados em um dos pátios. No período de dez dias, a zona verde sofreu três ataque semelhantes. Num deles, três soldados americanos ficaram feridos. No mais mortífero ataque de hoje, quatro iraquianos morreram em Basra, sul do Iraque, na explosão de uma bomba na frente de uma delegacia usada por tropas bitânicas que ocupam a cidade. Segundo testemunhas, um dos mortos era o homem que estava colocando a bomba no local. Ao sul de Bagdá, perto da base americana de Latifiyah, dois iraquianos foram mortos em tiroteios, segundo testemunhas. Em Dura, também ao sul da capital, as forças de segurança descobriram e desativaram uma ambulância repleta de bombas, de acordo com fontes militares americanas. Em Rassafah, a leste de Bagdá, quatro prisioneiros e dois policiais ficaram feridos na explosão de uma bomba na frente da sede do Tribunal de Apelações local. Um oficial da polícia iraquiana foi encontrado morto dentro de seu carro em Baaquba, 60 quilômetros a nordeste de Bagdá, provavelmente assassinado pelos rebeldes. Na mesma cidade, um estudante iraquiano foi morto por um soldado americano que patrulhava o local, segundo seu irmão. As forças militares americanas disseram não ter informações sobre esse incidente. Uma caravana americana foi atacada a pedradas na cidade de maioria xiita de Kerbala. Em Sadr, distrito da periferia de Bagdá, centenas de pessoas foram às ruas para protestar contra o assassinato, na véspera, do chefe do conselho administrativo local, Mohamed al-Kaabi. O político foi morto depois de discutir com um soldado americano que vigiava um prédio público e recusar-se a seguir suas recomendações. Na busca pelos resistentes, a Força Aérea americana bombardeou hoje uma casa em Tikrit e soldados prenderam seis pessoas que viviam na residência. Segundo porta-vozes da 82ª Divisão Aerotransportada, o imóvel era usado para o planejamento de ataques contra a coalizão liderada pelos EUA. O comandante das tropas americanas no Iraque, general Ricardo Sánchez, disse que os EUA estão preparados para um longo período de ataques dos rebeldes. E advertiu que o Exército americano está disposto a usar "qualquer armamento de seu arsenal" para frear a ação da resistência. "A mensagem mais importante que devemos passar é a de que seremos bastante duros", disse Sánchez. A ida de Bremer a Washington ocorre em meio a rumores de que a administração Bush está irritada com o Conselho de Governo iraquiano, apontado pelos EUA. O conselho não consegue chegar a um acordo sobre como selecionar os iraquianos que elaborarão uma proposta de constituição para o país. Os xiitas do conselho exigem eleições diretas para a escolha dos participantes. A administração Bush estima que o processo seria muito demorado, e não estaria concluído até as eleições presidenciais de novembro nos EUA.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.