Ozan Kose/ AFP
Ozan Kose/ AFP

Turquia bloqueia acesso ao Twitter durante protestos

Governo pediu remoção de imagens do atentado e tentou bloquear os usuários do Twitter que convocaram protestos contra Erdogan

Estadão Conteúdo

22 de julho de 2015 | 09h25

ANCARA - A Turquia bloqueou o acesso ao Twitter nesta quarta-feira para impedir a transmissão de imagens do atentado que aconteceu na segunda-feira no sudeste da Turquia e matou 32 pessoas, disse agência estatal Anadolu. No entanto, horas depois o proibição foi suspensa, mas o acesso não foi restaurado imediatamente.

Mais cedo, um tribunal de Suruç emitiu uma proibição de publicar na mídia imagens relacionadas com o bombardeio, incluindo a Internet e plataformas de mídia social, e determinou que o acesso seria barrado em sites que não cumprirem a proibição, informou a agência.

Uma autoridade do governo disse que a Turquia tinha pedido ao Twitter para remover 107 URLs com imagens do  atentado. O Twitter retirou cerca de 50 URLs e estava trabalhando para remover os links restantes. O governo também tentou bloquear os usuários do Twitter que convocaram protestos contra o presidente Recep Tayyip Erdogan por não ter feito o suficiente para evitar os ataques, disse a agência.

Protestos eclodiram em Istambul e em outras cidades desde o atentado, com manifestantes gritando slogans culpando o governo pelo ataque. Na terça-feira, a polícia deteve cerca de 30 pessoas antes dos protestos perto de um escritório do governo em Istambul. Os manifestantes soltavam fogos de artifício enquanto a polícia tentava dispersar a multidão em outro protesto na cidade.

Autoridades tinham levantado preocupações de que o bombardeio na cidade de Suruc faz parte de uma campanha de retaliação por parte do grupo Estado Islâmico diante da recente repressão sobre suas operações no país.

Autoridades turcas afirmaram ter detido mais de 500 pessoas suspeitas de trabalharem para o Estado Islâmico nos últimos seis meses. Somente neste mês, a operação marcou 21 suspeitos de terrorismo em uma investigação de redes de recrutamento em várias partes do país.

A Turquia já bloqueou bloqueou mídias sociais no passado. No início deste ano, o governo ordenou um bloqueio temporário no Twitter e no YouTube durante uma crise envolvendo reféns em um tribunal de Istambul. Esses sites também foram bloqueados no último ano após gravações de áudio de uma reunião secreta de segurança que apontavam a corrupção de autoridades do governo terem vazado nestes sites. O Supremo Tribunal da Turquia, no entanto, anulou essas proibições, alegando que elas são inconstitucionais.  /AP

Tudo o que sabemos sobre:
Turquiabloqueiotwitterprotestos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.