Em meio à tragédia, premiê Wen afaga vítimas e reforça popularidade

Primeiro-ministro visita cidades destruídas por tremor, ajuda a acalmar soterrados e conforta desabrigados

Cláudia Trevisan, O Estadao de S.Paulo

18 de maio de 2008 | 00h00

A figura franzina do primeiro-ministro da China, Wen Jiabao, transformou-se num símbolo de resistência dos chineses diante da adversidade e inspirou um enorme esforço de mobilização popular na ajuda aos feridos e desabrigados pelo pior terremoto a atingir o país em três décadas.Logo depois do tremor de segunda-feira, Wen viajou à região afetada, no centro do país, e passou a coordenar os trabalhos de resgate dos soterrados. Desde então, todos os seus deslocamentos são registrados em detalhes pela imprensa oficial chinesa, que é uma poderosa máquina de propaganda, com redes de TV, jornais, rádios e portais na internet. O primeiro-ministro, de 66 anos, visitou mais de uma dezena de lugares atingidos pelo tremor, falou em megafones com soterrados, participou de operações de resgate, esteve no primeiro grupo a chegar ao epicentro do terremoto e apareceu em inúmeras fotos confortando crianças e feridos. Quando esteve numa escola onde havia um estudante vivo sob os escombros, ele se aproximou e gritou: "Eu sou o vovô Wen Jiabao. Você precisa agüentar firme, garoto. Você vai ser salvo."A impressão de quem lê os jornais chineses é a de que ele está em vários lugares ao mesmo tempo e é o único responsável pelas decisões relacionadas à operação de guerra para enfrentar a tragédia. "O nosso premiê é nosso pai e nossa mãe", disse Zhang Du Fang, uma mulher que decidiu ir com a irmã a Dujiangyan ajudar as pessoas afetadas pela tragédia. As duas saíram na terça-feira de Meishan, no sul da Província de Sichuan, levando água, comida e roupas. Na quinta-feira, estavam na escola onde 900 adolescentes foram soterrados pelos escombros, rodeadas de vários outros voluntários. "Todos os chineses são uma grande família. Nós não nos conhecemos, mas temos o mesmo objetivo de salvar pessoas. Nós podemos derrotar a adversidade", afirmou Zhang.Esse tom confiante é o mesmo utilizado por Wen Jiabao em suas declarações. "Diante desse desastre, as coisas mais importantes são serenidade, confiança, coragem e comando", afirmou o primeiro-ministro em rede de televisão logo depois do terremoto.A movimentação incessante do geólogo Wen Jiabao pelas áreas afetadas acabou sendo mais um estímulo para a população se engajar nos trabalhos de resgate. Milhares de voluntários levam comida, buscam feridos, confortam órfãos e ajudam na procura por sobreviventes. Wu Yong, sua mulher, Li Qing, e o filho, Wu Li Hang, de 11 anos, decidiram ajudar os afetados pelo terremoto juntamente com outras nove famílias da vila onde moram, Wengjiang, próxima da área afetada. Na terça-feira, os dez carros foram para Dujiangyan carregados de comida, água e roupas. "Trouxe meu filho para que ele saiba ser solidário com outras pessoas", afirmou a mãe. Sua amiga Li Yong também levou a filha, Yue Si Jia, de 10 anos. "Quando vimos no noticiário o nosso premiê ajudando as pessoas, nós choramos", disse Li Qing.Os carros do grupo são identificados como o de todos os voluntários: no capô é colado um papel vermelho, a cor da China, com os ideogramas "contribuição, sacrifício, amor".A atuação de Wen aumentou ainda mais a sua já grande popularidade. O primeiro-ministro é considerado um "homem do povo", que passa o ano-novo com camponeses, almoça com trabalhadores de minas de carvão e está sempre presente no momento em que tragédias se abatem sobre o país. Wen foi o primeiro líder chinês a visitar um hospital para tratamento de aids e ser fotografado dando a mão a um doente - isso em 2003, época em que o assunto era tratado como um tabu na China e havia uma enorme ignorância sobre as formas de transmissão do vírus HIV. Seu gesto foi um sinal de que o governo chinês passaria a combater a aids de maneira mais efetiva e daria mais transparência e publicidade ao problema. Em janeiro, quando o sul do país foi paralisado por nevascas, o primeiro-ministro também comandou os trabalhos de resgate. No auge da tempestade, deu uma declaração pouco comum para um líder de um Partido Comunista ateu: "Temos a fé, a coragem e a habilidade para superar esse desastre."Os fóruns de discussão na internet freqüentados pelos jovens chineses estão inundados de comentários sobre Wen Jiabao e sua atuação em um ano especialmente trágico para o país - além das nevascas e do terremoto, um acidente de trem matou 71 pessoas e deixou 416 feridas em abril. O grau de popularidade do premiê se reflete no apelido que muitos internautas usam para se referir a ele, Wen "Baobao", um tratamento carinhoso semelhante ao "baby" do inglês.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.