Fareed Khan/AP
Fareed Khan/AP

Em meio ao jejum do Ramadã, onda de calor mata 1.250 no Paquistão

KARACHI - O governo do Paquistão disse nesta quarta-feira que a forte onda de calor que atingiu a cidade portuária de Karachi e a Província de Sind, no sul do país, em junho matou 1.250 pessoas.

O Estado de S. Paulo

01 de julho de 2015 | 15h53

Um comunicado do governo sobre o mais recente número de mortos em razão da onda de calor foi entregue ao primeiro-ministro, Nawaz Sharif, durante uma reunião de cúpula em Karachi.

Sharif foi a Karachi nesta quarta-feira para avaliar a situação. O primeiro-ministro foi informado de que um total de 65 mil pessoas vítimas de insolação foram tratadas em hospitais da cidade durante as duas últimas semanas.

A onda de calor, que começou em 19 de junho, coincidiu com o mês sagrado muçulmano do Ramadã, quando os muçulmanos ficam em jejum do amanhecer ao anoitecer e não podem beber água. O Paquistão é um país de maioria muçulmana. /  Associated Press

Tudo o que sabemos sobre:
Paquistãocalormortes

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.