EFE/ MIGUEL GUTIERREZ
EFE/ MIGUEL GUTIERREZ

Nova regra para a troca de cédulas na Venezuela deve causar mais transtornos

Entre esta sexta-feira e o dia 20, as notas de 100 bolívares só poderão ser trocadas em caixas do Banco Central e não podem mais ser depositadas em conta

O Estado de S. Paulo

16 Dezembro 2016 | 12h55
Atualizado 16 Dezembro 2016 | 14h25

CARACAS - O governo da Venezuela alterou as regras para os venezuelanos poderem trocar as notas de 100 bolívares e determinou que isso só poderá ocorrer em agências designadas pelo Banco Central da Venezuela (BCV). A medida, anunciada na noite de quinta-feira 16 pelo presidente Nicolás Maduro vale até o dia 20. Além disso, as notas não podem mais ser depositadas em conta. Na quinta-feira, entrou em vigor o novo sistema de notas do país, que abriga bilhetes de 500 a 20 mil bolívares. 

Anteriormente, o governo havia dado um prazo de 10 dias úteis para a troca das notas de 100 pelas novas. A nova regra, segundo economistas, deve ampliar as filas e a confusão em torno da medida. Muitas pessoas temem perder dinheiro. 

Em Caracas, haverá 30 cabines para a troca das notas antigas na sede do BCV, na Avenida Urdaneta. No domingo, o presidente Nicolás Maduro decidiu tirar de circulação as notas de 100 num prazo de três dias para combater o que chamou de "contrabando de dinheiro para provocar uma guerra financeira contra a Venezuela".

Nas últimas semanas, os venezuelanos vinham tendo dificuldades para sacar dinheiro em caixas eletrônicos. O governo diz que bilhões de bolívares foram contrabandeado para outros países propositalmente. 

Segundo dados do próprio BCV, no entanto, a impressão das notas cresceu  12 vezes em quase três anos. Como o aumento da inflação não foi acompanhado da mudança de valor nas notas, era preciso cada vez mais bilhetes para fazer compras comuns no dia a dia e a procura pelas notas disparou. 

A medida de Maduro no entanto provocou um colapso no sistema financeiro, uma vez que não houve tempo hábil para atender as filas gigantes de venezuelanos tentando depositar suas notas antigas. 

 

Mais conteúdo sobre:
Venezuela Nicolás Maduro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.