Em mensagem à nação, Fidel diz ter quadro "estável"

Em uma mensagem lida por um jornalista na televisão cubana, o presidente de Cuba, Fidel Castro, afirmou nesta terça-feira que se encontra em situação estável."Posso dizer que a situação é estável, mas a evolução real do estado de saúde necessita de tempo. O máximo que poderia dizer antes de poder dar um veredicto é que a situação se manterá estável", afirmou. Castro se desculpou por não fornecer mais detalhes, mas disse que a ameaça que os Estados Unidos representam para o seu governo faz com que a sua saúde tenha de ser tratada como "segredo de estado".Ele expressou sua gratidão pelas mensagens positivas que recebeu de líderes e apoiadores ao redor do mundo, e pediu que os cubanos permaneçam calmos e continuem com suas rotinas diárias. "De ânimo, me encontro perfeitamente bem, o importante é que tudo marcha e marchará perfeitamente bem no país. O país está preparado para sua defesa com as Forças Armadas Revolucionárias e o povo", disse. "Nossos compatriotas souberam de tudo no devido tempo, como no caso de minha queda", acrescentou o texto atribuído a Fidel, segundo o apresentador do programa Mesa Redonda.O porta-voz do parlamento cubano, Ricardo Alarcon, rejeitou todas as especulações de que a saúde de Fidel possa ser crítica. Em entrevista à agência de notícias cubana Prensa Latina, ele lembrou que o líder cubano é conhecido por lutar até o fim e que seu "momento final ainda está muito distante". Alarcon também mostrou-se desgostoso diante das celebrações promovidas pela comunidade cubana exilada em Miami. Segundo ele, os "atos de provocar vômitos" foram promovidos por "mercenários e terroristas".Na noite de segunda-feira, Fidel, no poder desde 1959, anunciou por meio de uma mensagem que cedia provisoriamente suas funções ao seu irmão Raúl, pois havia sido submetido a uma intervenção cirúrgica em decorrência de hemorragias intestinais.Alarcon disse que Castro fez bem em delegar todas as responsabilidades quando seus médicos lhe disseram para descansar - uma decisão que, segundo ele, foi feira por um homem "que estava completamente consciente e capaz de adotar essas resoluções".Castro vinha sendo visto freqüentemente nos últimos dias, fazendo discursos no leste de Cuba durante um feriado revolucionário e acenando em um encontro na Argentina. Essas viagens e o estresse resultante "arruinaram" sua saúde, segundo a carta.Castro pareceu otimista de sua recuperação, pedindo em sua carta que as celebrações marcadas para o seu 80º aniversário, no dia 13 de agosto, fossem adiadas até 2 de dezembro, o 50º aniversário da Forças Armadas Revolucionárias de Cuba.Líderes da China, Venezuela, Bolívia, México e Brasil desejaram melhoras a Castro.Matéria alterada às 20h50 para acréscimo de informações

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.