Em Moscou, Hillary critica usina construída por russos no Irã

Secretária dos EUA reclama de momento escolhido para início das atividades da instalação nuclear

AP, O Estadao de S.Paulo

19 de março de 2010 | 00h00

MOSCOU

Pouco após desembarcar na Rússia, a secretária americana de Estado, Hillary Clinton, criticou ontem o apoio de Moscou à construção da usina nuclear de Bushehr. Com o chanceler russo, Sergei Lavrov, Hillary reclamou do momento escolhido para iniciar as atividades da usina construída pela Rússia, processo que havia sido anunciado horas antes pelo primeiro-ministro russo, Vladimir Putin.

A usina nuclear é um exemplo das relações comerciais e de cooperação técnica entre a Rússia e o Irã, algo que há algum tempo vem incomodando os EUA. A usina nuclear de Bushehr foi uma questão muito discutida durante um período de tensão nas relações entre a Rússia e os EUA no ano passado e nos atuais esforços liderados por Washington para aprovar novas sanções no Conselho de Segurança da ONU contra o Irã por causa de seu programa nuclear.

O anúncio do início dos trabalhos na usina, feito ontem por Putin acrescenta uma nova complicação à lista de questões que Hillary e seu anfitrião não concordam. Os dois se reúnem hoje em Moscou.

Em uma entrevista coletiva ao lado de Lavrov, Hillary disse à imprensa que o Irã, que assegura estar buscando o uso pacífico da energia, precisa reassegurar ao mundo que não está tentando construir uma bomba atômica, como se suspeita. "Na ausência dessas garantias, acho que seria prematuro levar adiante qualquer projeto agora, pois queremos enviar uma mensagem inequívoca aos iranianos", disse Hillary.

Lavrov, por sua vez, afirmou que, apesar das preocupações dos Estados Unidos, a Rússia terminará seus trabalhos na usina de energia nuclear de Bushehr em breve.

Lavrov e Hillary também garantiram durante a entrevista que as negociações sobre um novo tratado para reduzir as armas nucleares já estão perto do fim. /

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.