Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Money SHARMA / AFP
Money SHARMA / AFP

Rival de Modi, Partido do Homem Comum é reeleito em Nova Délhi

Com ônibus grátis para mulheres e subsídios na conta de energia elétrica, Arvind Kejriwal assume segundo mandato com maioria na Assembleia; partido do primeiro-ministro obteve apenas oito cadeiras

Paulo Beraldo, O Estado de S.Paulo

12 de fevereiro de 2020 | 09h00

O nome do partido que continuará comandando o coração político da Índia, Nova Délhi, reflete para quem a sigla quer governar: Partido do Homem Comum (AAP, na sigla original). De oposição ao Partido do Congresso Nacional, da tradicional família Gandhi, e crítico do Partido do Povo Indiano (BJP), do primeiro-ministro Narendra Modi, o AAP governou a capital indiana nos últimos cinco anos com foco em medidas que beneficiaram diretamente as classes mais pobres da cidade de 20 milhões de habitantes. 

O partido liderado pelo ativista anticorrupção Arvind Kejriwal obteve 62 das 70 cadeiras da Assembleia Legislativa de Nova Délhi, o que lhe permitirá governar com maioria - as outras oito ficaram com o partido de Modi. "É a vitória de todos os moradores de Délhi, de cada família que me considerou seu filho, de cada família que teve eletricidade, educação grátis e serviços de qualidade nos hospitais", afirmou ele em um discurso na sede do partido nesta terça-feira, 11. 

Aos 51 anos, Kejriwal trabalhou como inspetor fiscal e ajudou a lançar, em 2012, o partido com discurso de eficiência na gestão, a favor do corte de impostos e contra a corrupção - o símbolo do partido é uma vassoura. Com a redução nas taxas, a arrecadação aumentou e a evasão baixou. 

Durante a campanha, Kejriwal se esquivou de polêmicas dizendo que trataria apenas de assuntos locais e focou na luta contra a corrupção. Ele já disse que seu movimento anticorrupção não está ligado a nenhuma ideologia, e sim a "resolver problemas". Ao longo dos cinco anos, o político adotou medidas favoráveis às classes mais baixas, como atendimentos grátis nos hospitais e a manutenção de escolas públicas indianas. 

Impactos

"Kejriwal tem feito um bom governo. A qualidade das escolas públicas e do atendimento nos hospitais melhorou muito nos últimos anos. Espero que ele continue trabalhando assim", comentou o motorista de táxi Harvinder Singh, que mora em Délhi há mais de 20 anos e é pai de duas crianças. 

Reformas, pinturas, aquisição de computadores, organização de laboratórios e construção de espaços esportivos foram alguns dos investimentos em escolas para jovens. Uma das medidas mais elogiadas pelos eleitores foi a eletricidade gratuita para quem consumir menos que uma quantidade estipulada pelo governo, anunciada em agosto de 2019. Mais de um milhão de moradores foram beneficiados com a medida - e outros têm tentado reduzir o consumo para atingir o nível mínimo beneficiado. 

Além disso, Arvind Kejriwal aprovou em outubro do ano passado uma lei permitindo que mulheres possam usar ônibus gratuitamente na capital indiana. Cerca de 850 mil mulheres viajam de ônibus diariamente em Nova Délhi. Segundo o governo, a medida apoia a inserção feminina no mercado de trabalho. Opositores chamaram a medida de populista. 

"O resultado exige uma mudança de mentalidade, que considerava a política e o desenvolvimento urbanos apenas como o fornecimento de projetos de infraestrutura e construção. Para Nova Délhi, tratou-se de construir redes de confiança com os cidadãos, especialmente para as áreas mais desfavorecidas, até então invisíveis à política", resumiu o professor Manisha Priyam, do Instituto Nacional de Planejamento e Administração Educacional, em artigo no jornal Hindustan Times.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.