Adrian Dennis/Pool via REUTERS
Adrian Dennis/Pool via REUTERS

Em nova polêmica, Boris Johnson é acusado de infringir suas próprias normas contra a covid

Tabloide publicou foto do premiê britânico participando de um concurso virtual de Natal ao lado de dois colaboradores sem máscaras e distanciamento

Redação, O Estado de S.Paulo

12 de dezembro de 2021 | 12h24

O primeiro-ministro britânico Boris Johnson foi acusado de alimentar uma "cultura do desprezo das normas" em seu governo, após a publicação neste domingo, 12, de uma foto em que aparece brincando em um escritório com dois colaboradores sem máscara ou distanciamento em dezembro de 2020, quando o país estava confinado pela pandemia.

Esta nova revelação se junta a uma série de escândalos que atingem o líder conservador, em um momento em que novas restrições sanitárias foram impostas aos britânicos para frear a rápida propagação da variante Ômicron.

Johnson está sob enorme pressão desde que a imprensa informou que a equipe de Downing Street celebrou no ano passado uma festa ilegal em um momento em que as restrições contra a covid-19 proibiam reuniões em espaços fechados em Londres. 

Neste domingo, o Sunday Mirror publicou uma foto de Johnson em frente a uma tela em Downing Street, junto a dois colaboradores, um com uma guirlanda de Natal no pescoço e outra com o que parece um gorro de Papai Noel, durante um concurso virtual em 15 de dezembro de 2020.

"Enquanto as normas diziam que as pessoas não têm que organizar festas de Natal no trabalho e que os britânicos faziam o que tinha que ser feito, Boris Johnson estava presidindo uma cultura de desprezo das normas no coração do governo", denunciou a vice-líder do partido trabalhista, Angela Rayner.

O ministro da Educação, Nadhim Zahawi, saiu em defesa do chefe de governo e afirmou na SkyNews que Johnson só participou deste "concurso virtual durante 10 ou 15 minutos" com sua equipe para arrecadar fundos para ações de caridade. /AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.