Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Em novo ataque a Gaza, Israel mata mais dois civis

Em um novo ataque mal sucedido em apenas dois dias, a aviação israelense lançou nesta quarta-feira um míssil contra um carro com militantes palestinos mas acabou atingindo uma casa na cidade de Khan Younis, no sul da Faixa de Gaza, matando duas pessoas e ferindo outras 13. O incidente ocorreu poucas horas depois do funeral de três crianças que foram mortas num ataque semelhante ocorrido na terça-feira.Militantes prometeram vingança, enquanto os israelenses debatiam a efetividade de ataques aéreos que alvejam militantes mas acabam matando muitos palestinos inocentes.No ataque de hoje, a aviação de Israel atingiu a casa e matou um homem e uma mulher, e feriu 13 pessoas, incluindo 5 crianças, segundo fontes hospitalares. A mulher morta foi identificada como Fatma Abdel Khader, de 35 anos. Segundo fontes palestinas, ela estaria grávida. O homem, Zakaria Ahmed, de 45, era irmão dela. Ele acabara de chegar da Arábia Saudita, onde morava, para visitar a família. O míssil abriu um buraco na parede da casa de um andar. Uma poça de sangue cobria parte do piso da cozinha da residência atacada.Uma testemunha afirmou que um carro transportando militantes palestinos passava perto da casa quando o míssil caiu. De acordo com a fonte, os homens saíram do veículo e correram para longe do local.Um oficial do Exército israelense, que falou na condição de que seu nome não fosse divulgado, afirmou que o míssil errou o alvo em vários metros.O governo de Israel alega que seus ataques visam militantes envolvidos nos lançamentos diários de foguetes de Gaza contra cidades israelenses. Mas a grande baixa de inocentes está incendiando o debate no Estado Judeu, onde os críticos dizem que as ofensivas servem apenas para inflamar a paixão militante. Para eles, lançar mísseis sobre Gaza durante o verão é particularmente problemático porque milhares de crianças saem de suas casa para brincar nas ruas das cidades e vilarejos."Massacre"O primeiro-ministro da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Ismail Haniye, acusou hoje Israel de ter cometido um "massacre" na Faixa de Gaza nos últimos dois dias. "Nos territórios palestinos, não há direitos humanos, o que há são massacres de crianças palestinas", disse o primeiro-ministro à imprensa palestina, acrescentando que "Israel foi sempre o causador da instabilidade e das guerras na região".Ontem, três crianças palestinas de 5, 7 e 16 anos morreram em um ataque israelense no campo de refugiados de Jabalya, que tinha como alvo um líder das Brigadas de Al-Aqsa, facção armada vinculada ao Fatah, e que saiu ileso do bombardeio.As Brigadas dos Mártires de Al-Aqsa ameaçaram retomar os atentados em Israel após os ataques de ontem e hoje. Um militante pegou um megafone e perguntou a uma multidão que havia acompanhado o enterro das três crianças: "Vocês querem cessar-fogo?" e as pessoas gritavam de volta "Não!".Os militantes prometeram intensificar o lançamento de foguetes contra as cidades israelenses, tendo como alvo principal Sderot, que fica praticamente na fronteira com a Faixa de Gaza.Nesta quarta-feira, Rússia e Grã-Bretanha expressaram preocupação com os assassinatos de civis por militares israelenses em Gaza. Para Moscou e Londres, tal violência contra inocentes é "inaceitável.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.