Em NY, há zonas eleitorais até em edifícios residenciais

Os moradores do edifício residencial no número 430 da rua 86, na região do Upper East Side, observam uma movimentação atípica no prédio desde às 6 horas desta manhã de um dia ensolarado de outono: nova-iorquinos formando uma grande fila à espera de votar nas eleições presidenciais norte-americanas. Além de escolas e outros edifícios públicos, prédios residenciais foram transformados em locais de votação. Nos cinco distritos ("boroughs") de Nova York, há 1.300 locais de votação, equipados com 7.700 urnas eletrônicas e 30 mil pessoas trabalhando nas eleições. Os nova-iorquinos podem votar até as 21 horas local (ou meia-noite em Brasília). Como hoje é um dia normal de trabalho, com as bolsas de valores e o mercado financeiro em funcionamento, muitos eleitores compareceram às urnas cedo. "Sempre voto antes de trabalhar. As filas ficam muito grandes após o expediente de trabalho", explicou o agente de talentos David McDermott, de 43 anos. Outro que já estava cedo na fila em frente ao edifício residencial da rua 86 era o professor universitário Ray Smith, de 38 anos. Ele quis votar cedo para reunir seus alunos e fazer uma pesquisa informal junto aos eleitores nova-iorquinos. "Quero saber o que as pessoas pensam sobre vários aspectos do nosso sistema eleitoral, entre eles a questão de expandir o voto para as pessoas que cometeram algum tipo de crime, as quais perdem o direito ao voto, e também para os imigrantes ilegais, por exemplo", afirmou Smith. A procura por informações sobre dúvidas em relação às eleições nos órgãos da Justiça Eleitoral em Nova York está grande. O site na internet do Board of Election, responsável pelo processo eleitoral na cidade, saiu do ar por várias horas devido ao volume intenso de acesso. Segundo os comissários daquela entidade, somente ontem o site registrou 127 mil hits, número várias vezes maior do que em dias normais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.