Em Ohio, Romney e Obama trocam acusações sobre crise econômica

Reta final. Após divulgação do aumento de 0,1% na taxa de desemprego, presidente diz que houve progresso e as empresas do país criaram 5,5 milhões de novos empregos nos últimos 32 meses; Romney afirma que resultado indica 'virtual paralisação' dos EUA

DENISE CHRISPIM MARIN, CORRESPONDENTE / WASHINGTON, O Estado de S.Paulo

03 de novembro de 2012 | 02h02

Em corpo a corpo no mesmo Estado de Ohio, um dos decisivos da eleição de terça-feira, o democrata Barack Obama e o republicano Mitt Romney acusaram um ao outro de não ser capaz de colocar a economia americana na rota do crescimento e da geração de empregos. Ambos se apegaram à divulgação da taxa de desemprego de 7,9% em outubro para atrair indecisos e motivar seu eleitorado cativo em um Estado dependente, em especial, da saúde da indústria automotiva.

Romney afirmou que a economia está "virtualmente paralisada" e prometeu a seus eleitores "uma mudança real", apropriando-se do slogan da campanha de Obama em 2008. O presidente e candidato à reeleição relembrou a crítica de seu rival ao pacote de socorro financeiro de seu governo, de US$ 24,9 bilhões, para as três maiores montadoras do país e acusou Romney de "não ser confiável".

A taxa de desemprego de outubro trouxe um aumento nada dramático de 0,1 ponto porcentual em relação à de setembro, conforme os dados divulgados ontem pelo Departamento de Trabalho. A elevação deveu-se ao reingresso na força de trabalho de 578 mil pessoas que tinham desistido de procurar um emprego. Essa onda de otimismo foi provocada, em parte, pelo registro, em setembro, da primeira taxa de desemprego menor que 8% desde fevereiro de 2009. Em outubro, foram criados 171 mil postos de trabalho, 23 mil a mais do que no mês anterior.

A rigor, nenhum dos candidatos tinha nos dados do desemprego de outubro um bom número para explorar eleitoralmente. Mas ambos adequaram o anúncio da taxa de 7,9% a seus objetivos de vencer em Ohio. Esse Estado sem fidelidade a um ou outro partido detém 18 delegados no Colégio Eleitoral, a instância indireta e final do processo, na qual o vitorioso tem de somar 270 votos. A média das recentes pesquisas, calculada pelo Real Clear Politics, indica uma disputa apertada: Obama com 49% e Romney com 46,4%.

"Fizemos um progresso real. Em 2008, estávamos no meio de duas guerras e da pior crise econômica desde a Grande Depressão (nos anos 30)", comemorou Obama, em comício na cidade de Hilliard. "Hoje, nossas empresas criaram 5,5 milhões de novos empregos (nos últimos 32 meses) e, nesta manhã, vimos que nossas companhias contrataram mais trabalhadores em outubro do que nos oito meses anteriores", disse o presidente.

Em Etna, Romney defendeu que o nível de desemprego de outubro é uma evidência do fracasso das políticas de Obama. "O aumento da taxa de desemprego é uma triste lembrança de que a economia está virtualmente paralisada. A taxa é mais alta do que na época que o presidente Obama tomou posse e ainda há 23 milhões de americanos em busca de emprego", afirmou, sem mencionar o porcentual de 7,8% registrado em janeiro de 2009. "Na terça-feira, os EUA escolherão entre o estancamento e a prosperidade", acrescentou.

O republicano chamou as promessas de Obama de "ocas" e disse estar preparado para "surpreender os que estão hoje na Casa Branca". O democrata acusou Romney de mentir em sua mais recente propaganda em Ohio. O anúncio diz que a Chrysler vai produzir seus veículos da marca Jeep na China e exportar para lá empregos americanos. A seus eleitores, Obama esclareceu que, ao mesmo tempo, a companhia também expandirá a produção de sua planta em Toledo, uma das maiores cidades de Ohio.

"Sei que estamos perto da eleição, mas isso não é um jogo. Não se pode aterrorizar trabalhadores americanos só para angariar votos. Essa não é a atitude de um presidente", afirmou Obama.

Agenda. Nos últimos três dias de campanha, ambos os candidatos farão um esforço final em Estados cruciais. Na terça-feira, Obama e sua equipe vão para Chicago. Romney, para Boston. Hoje, o presidente buscará apoio nos Estados de Virgínia, Iowa e Wisconsin, enquanto Romney atacará também em Iowa, New Hampshire e Colorado. Amanhã, está previsto um comício de Obama em Fort Lauderdale, Flórida. Romney, por sua vez, seguirá de novo para Iowa e Ohio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.