Em Porto Rico, Obama se diz comprometido com sucesso do país

Para analistas, foco da visita são os mais de 4 milhões de porto-riquenhos que votam nos EUA

Alessandra Corrêa, BBC

14 de junho de 2011 | 14h18

Obama durante discurso em San Juan, capital de Porto Rico, nesta terça-feira       

 

 

WASHINGTON - O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, chegou nesta terça-feira, 14, a Porto Rico para uma visita oficial histórica - a primeira de um líder americano à ilha em 50 anos.

Na capital, San Juan, Obama disse aos porto-riquenhos que está comprometido com o sucesso e com a autodeterminação do território. "Quando o povo de Porto Rico tomar uma decisão clara, o meu governo vai apoiá-los", afirmou o presidente, segundo a agência Associated Press.

Em sua breve passagem de cinco horas por Porto Rico, Obama mirou não tanto nos habitantes da ilha, já que esses, apesar da cidadania americana, não votam nas eleições presidenciais.

O foco de Obama, segundo analistas políticos, está nos mais de 4 milhões de porto-riquenhos que vivem nos Estados Unidos e, portanto, são eleitores, podendo influenciar a escolha do próximo presidente americano.

Segundo estatísticas recentes, hoje o número de porto-riquenhos nos Estados Unidos já supera em quase 1 milhão de pessoas a população total da ilha.

Esses eleitores, acredita-se, podem ter um papel definitivo na conquista de Estados cruciais no pleito presidencial de 2012, como a Flórida - onde vivem mais de 800 mil porto-riquenhos.

A visita também faz parte de um esforço mais amplo por parte de Obama de cortejar a população hispânica em geral, que foi decisiva para sua eleição em 2008, mas tem se mostrado decepcionada pela demora do presidente em cumprir algumas promessas de campanha, como a reforma das leis de imigração.

Status. O último presidente a fazer uma visita oficial a Porto Rico foi John Kennedy, em 1961. Depois disso, outros presidentes americanos passaram pela ilha, mas não em visitas oficiais.

A viagem de Obama ocorre poucos meses depois de uma força-tarefa instituída pelo presidente ter apresentado um relatório sobre Porto Rico e sugerido a realização de um novo plebiscito sobre o status político da ilha, que atualmente é um território autônomo dos Estados Unidos.

No referendo sugerido pela força-tarefa, que seria realizado no final de 2012, os habitantes decidiriam se a ilha deve ser parte dos Estados Unidos, tornando-se o 51º Estado, ou ganhar a independência.

Em consultas anteriores, os porto-riquenhos optaram por manter seu status de Estado Livre Associado dos Estados Unidos.

O governador de Porto Rico, o republicano Luis Fortuño, disse que pretende conversar com Obama sobre o tema do status político que, segundo ele, precisa ser resolvido "de uma vez por todas". BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.