Simon Dawson/Reuters
Simon Dawson/Reuters

Em pronunciamento, rainha Elizabeth agradece a britânicos por ficarem em casa

Rainha da Inglaterra também agradeceu aos profissionais de saúde que 'trabalham sem trégua' contra a pandemia do coronavírus

Redação, O Estado de S.Paulo

05 de abril de 2020 | 16h56
Atualizado 05 de abril de 2020 | 20h57

LONDRES - A rainha Elizabeth II agradeceu neste domingo, 5, aos profissionais de saúde que trabalham sem trégua contra a pandemia do novo coronavírus e aos britânicos que ficaram em casa para conter a propagação da doença.

"Quero agradecer a todos os que estão na linha de frente" dos serviços de saúde pública e "a todo o pessoal sanitário" em geral, destacou a rainha, em uma mensagem à nação considerada histórica.

Certa de que os britânicos "vencerão" a covid-19, Elizabeth II agradeceu também aos cidadãos "que ficam em casa e protegem, assim, os mais vulneráveis" do país, onde o coronavírus já matou quase 5 mil pessoas.

Neste raro discurso televisionado dirigido à Grã-Bretanha e aos países da Commonwealth, a rainha lembrou suas experiências durante a 2ª Guerra, oferecendo uma mensagem de esperança a pessoas forçadas a se manter afastadas de parentes e amigos.

A rainha lembrou de sua primeira transmissão, em 1940, quando ao lado da irmã, a princesa Margaret, dirigiu-se às crianças afastadas de suas famílias. As irmãs foram mandadas para Windsor por segurança enquanto Londres era bombardeada.

Para Entender

Coronavírus: veja o que já se sabe sobre a doença

Doença está deixando vítimas na Ásia e já foi diagnosticada em outros continentes; Organização Mundial da Saúde está em alerta para evitar epidemia

A transmissão ocorre em um momento em que bilhões de pessoas ao redor do mundo são forçadas a permanecer em casa para conter a transmissão do vírus.

A monarca e seu marido, o príncipe Philip, de 98 anos, estão no Castelo de Windsor, no oeste de Londres, preventivamente desde 19 de março, enquanto o número de mortes e de contágios aumentam em território britânico.

A Grã-Bretanha tem atualmente 47.806 casos hospitalares confirmados e 4.934 mortes. Seu próprio filho, o príncipe Charles, herdeiro do trono britânico, assim como o premiê, Boris Johnson, contraíram o vírus.

A rainha alertou que a situação pode persistir, mas o surto será derrotado pelo esforço coletivo e do "empenho comum", incluindo a cooperação científica. "Vamos ter sucesso - e este sucesso pertencerá a todos nós", disse a rainha.

Assista ao vídeo (em inglês): 

A mensagem, a quarta em um momento de crise em seus 68 anos de reinado, foi gravada em Windsor com um único operador de câmera vestido com roupas de proteção como medida de precaução.

Ela agradeceu pessoalmente aos profissionais na linha de frente no Serviço Nacional de Saúde (NHS), cuidadores e outros trabalhadores-chave por desempenharem, "altruisticamente", funções essenciais.

A transmissão exibiu imagens de médicos e enfermeiros, trabalhadores de entrega e militares que ajudam na construção de um novo hospital de campanha com 4 mil leitos em Londres. Também mostrou pessoas aplaudido esses profissionais de suas casas.

A rainha disse que as pessoas na Grã-Bretanha e ao redor do mundo podem se sentir orgulhosas de sua resposta comunitária à pandemia."Juntos vamos vencer esta doença e eu quero reassegurá-los de que se nos mantivermos unidos e decididos, vamos superá-la", acrescentou.

Ela lembrou também da cantora britânica da época da 2ª Guerra Vera Lynn, cuja canção, We'll Meet Again, se tornou um hino para aqueles que combatiam no exterior, distantes de seus entes queridos./AFP

Tudo o que sabemos sobre:
Rainha Elizabeth IIcoronavírus

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.