Em protesto, sinfônica do Uruguai toca no meio da rua

Os músicos da orquestra sinfônica estatal do Uruguai se postaram ontem no meio da Avenida 18 de Julio, principal via de Montevidéu, capital uruguaia, e começaram a tocar. Mas a apresentação não teve um objetivo cultural. Foi uma forma de protesto. "Com esse protesto buscamos chamar a atenção da opinião pública para que ela conheça as nossas reivindicações", disse o dirigente sindical da orquestra sinfônica do Servicio Oficial de Difusión, Radiotelevisión y Espectáculos (SODRE), Raúl Saavedra.O trânsito pela Avenida 18 de Julio foi interrompido, enquanto os transeuntes observaram com curiosidade a apresentação e recebiam folhetos com as demandas dos músicos. "Temos os nossos equipamentos puídos há três anos e agora pretendiam que nós fizéssemos apresentações com instrumentos emprestados e quase sem ensaio. Nós não aceitamos", enfatizou.Saavedra explicou que o grupo tem reivindicado aumento de salários, melhoria nas condições de trabalho e a aprovação de um projeto cultural. Integrantes do coro e do balé também atuaram durante o protesto, porque também se consideram afetados pelas mesmas dificuldades.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.