Photo by Aizar RALDES / AFP
Photo by Aizar RALDES / AFP

'Em qualquer lugar estamos melhor do que na Venezuela', diz migrante que vive na Bolívia

Venezuelanos mendigam por ruas da América Latina e enfrentam xenofobia; grupos preferem pedir esmola a continuar em seu país

Redação, O Estado de S.Paulo

18 de dezembro de 2019 | 09h00
Atualizado 18 de dezembro de 2019 | 12h12

LA PAZ - "Aqui pelo menos temos o que comer", é o mantra repetido à exaustão pelos migrantes venezuelanos, que, com seus bebês nascidos em plena rua, mendigam por algumas moedas em La Paz, capital de um dos países mais pobres da América do Sul. A Bolívia é o novo destino de venezuelanos que se deslocam pela América Latina, depois que conseguem algum dinheiro para pegar um ônibus para o Chile, Peru ou Argentina, países que possuem suas próprias crises.

"Eu digo que em qualquer lugar estamos melhor do que na Venezuela", afirma Darwinson Landaeta, um ex-mensageiro de 36 anos, oriundo de Caracas, e que viaja em cadeira de rodas há um ano, com Alejandra, sua parceira e dois dos quatro filhos. Os filhos mais velhos foram deixados com a família. Alejandra tem dores de cabeça, pois muitos migrantes sofrem de doenças de altitude nesta cidade situada a 3.600 metros acima do nível do mar, e onde, durante o verão, as temperaturas da manhã e da noite são frias, entre 7 e 12 graus Celsius.

"Mas aqui, mesmo com todos os problemas (...) ainda temos o que comer", explica. Darwinson foi atingido por um tiro durante um protesto contra o governo de Hugo Chávez no início de 2003 e ficou paraplégico. Alejandra, que trabalhava em uma fábrica de calçados, diante da falta de comida em seu país, resolveu, em 2018, acompanhar o marido pedindo ajuda pelas ruas da Colômbia, Equador, Peru e, a princípio, a ideia era se estabelecer no Chile.

"Em todos os países onde estivemos, infelizmente, há muita xenofobia", conta Darwinson, que, como a grande maioria dos venezuelanos que pedem esmola ou vendem doces ao longo do Paseo El Prado, em La Paz, afirma ter sofrido discriminação. Darwinson, Alejandra e seus filhos chegaram há três meses em Tacna, fronteira do Peru e Chile, e ficaram surpresos por precisarem de visto. Foi assim que eles acabaram na Bolívia.

"Viemos da guerra"

Muitos são jovens, partiram de Zulia, Monagas, Anzoátegui, províncias venezuelanas onde os efeitos de uma crise marcada pela hiperinflação de 200.000% em 2019, segundo o FMI, eram mais sentidos. "Viemos da guerra", diz Landaeta, enquanto uma senhora oferece algo para comer a um de seus filhos, que, como todos os migrantes menores, não estuda desde que deixou a Venezuela.

A três quarteirões de distância, William Ortiz esmola ao lado de uma menina. "Estamos há três semanas na Bolívia, nosso destino final é o Uruguai, é o país que está melhor", diz o músico de 45 anos, oriundo de San Juan de los Morros, e que prefere não ser fotografado.

A Bolívia, após a nacionalização dos hidrocarbonetos em 2006, que coincidiu com o boom dos preços do petróleo, começou a crescer a uma taxa anual de 4,9%, tornando-se a economia mais estável da região. É um país que reduziu a pobreza extrema de 38,2% em 2005 para 17,1% em 2018, segundo dados oficiais.

"Aqui, pelo menos, posso dar às minhas meninas algo para comer. A três quarteirões de distância, William Ortiz implora ao lado de uma garota. "Temos três semanas na Bolívia, nosso destino final é o Uruguai, é o que está melhorando aqui embaixo", diz esse músico de 45 anos de San Juan de los Morros, que não concorda em falar com câmeras ou fotos.

A Bolívia, após a nacionalização dos hidrocarbonetos em 2006, que coincidiu com o boom dos preços do petróleo, começou a crescer a uma taxa anual de 4,9%, tornando-se a economia mais estável da região. É um país que reduziu a pobreza extrema de 38,2% em 2005 para 17,1% em 2018, segundo dados oficiais.

"Aqui, pelo menos, posso dar às minhas meninas algo para comer", diz Josbin Espejo, 28 anos, acompanhado por Yister, sua parceira, com quem deixou Caracas em janeiro passado. Com a filha de 6 anos e um bebê de 4 meses que nasceu no Peru, eles juntaram o necessário para pegar um ônibus para Santa Cruz, a locomotiva econômica da Bolívia, a cerca de 20 horas de La Paz.

Comida e remédio

Como resultado da prolongada crise econômica e política no país do petróleo, 3,6 milhões de venezuelanos deixaram sua terra desde 2016, segundo a ONU. Eduardo Niño Núñez, 26 anos, acompanhado por sua esposa Wendy, 20, pede ajuda nas ruas com sua filha de 4 anos e um bebê de dois meses nascido na Bolívia.

"Aqui, pelo menos, temos um pouco mais de estabilidade. Em nosso país, passamos fome", diz ele à AFP com os olhos vermelhos de acordar cedo para sair e arrecadar dinheiro para comida e acomodações. Nas ruas, conheceram Fran Salazar, um estudante de artes cênicas de Maracaibo, 26 anos. Ele deixou a cidade peruana de Arequipa, cansado dos insultos xenófobos.

"Aqui na Bolívia, graças a Deus, pelo menos tenho três refeições, e não tenho problemas com os bolivianos. Tento enviar algum dinheiro para minha mãe para que ela possa comer e tomar os remédios de que precisa", explica. Salazar sonha em voltar para casa, como todos os seus compatriotas, mas por ora não sabe para onde ir em uma viagem por uma América Latina tomada por convulsões sociais. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.