EFE/Atef Safadi
EFE/Atef Safadi

Em rara visita, Abbas deve ir a funeral de Peres em Jerusalém 

Há anos o líder palestino não vai à cidade com agenda oficial; chefes de governo e de Estado chegam nesta sexta

O Estado de S. Paulo

29 de setembro de 2016 | 21h40

JERUSALÉM - O presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, deverá comparecer nesta sexta-feira, 29, em Jerusalém, ao funeral do Prêmio Nobel da Paz e ex-presidente israelense Shimon Peres, anunciaram autoridades palestinas de alto escalão, hoje.

Há vários anos Abbas não realiza uma visita oficial a Jerusalém. Sua visita aconteceria em um momento em que palestinos e israelenses estão diante de um diálogo de paz congelado. 

Peres, que morreu na quarta-feira aos 93 anos, era mundialmente exaltado por seus esforços nas negociações de paz entre israelenses e palestinos nos anos 1990. Mas, com as negociações paradas desde 2014, não está totalmente certo se Abbas viajará de Ramallah para comparecer ao enterro.

O caixão de Peres, coberto com a bandeira de Israel, foi levado hoje para a Esplanada do Knesset (Parlamento), em Jerusalém, onde os israelenses prestaram homenagem a seu ex-presidente antes do funeral de hoje na presença de líderes mundiais.

As principais autoridades israelenses, o presidente Reuven Rivlin, o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, o presidente do Parlamento, Yuli Edelstein, e o líder opositor Isaac Herzog, iniciaram a homenagem popular em uma cerimônia sem discursos, durante a qual depositaram coroas de flores ao redor do caixão.

Depois de passar pelos controles de segurança e pelos jardins do Parlamento, foi a vez dos israelenses caminharem até o caixão de Peres. 

O governo mobilizou um grande dispositivo de segurança, com 7 mil policiais em Jerusalém. Um dos líderes aguardados hoje é o presidente americano Barack Obama, que deve discursar.

Israel não tinha um acontecimento dessa magnitude desde o funeral, em 1995, de Yitzhak Rabin. O primeiro-ministro, assassinado por um extremista judeu, recebeu ao lado de Peres e do líder palestino Yasser Arafat o Nobel da Paz em 1994 pelos Acordos de Paz de Oslo.

Amanhã, o monte Herzl, onde Peres será enterrado, e grande parte de Jerusalém ficarão isolados. As cerimônias fúnebres coincidem com o início do recesso das grandes festas judaicas e as autoridades israelenses temem uma retomada da violência palestina.

Peres morreu na quarta-feira (hora local) no hospital em que estava internado após sofrer um acidente vascular cerebral no dia 13, data de aniversário dos Acordos de Oslo. / AFP, REUTERS E EFE 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.