Daniel Leal-olivas/AFP
Daniel Leal-olivas/AFP

Em reforma, Big Ben voltará a tocar no ano-novo

O icônico sino também marcará o encerramento do período de transição pós-Brexit; pandemia adia fim de obras de restauração

Redação, O Estado de S.Paulo

17 de dezembro de 2020 | 21h27

LONDRES - Big Ben, nome popular pelo qual é conhecido o sino de 13,7 toneladas localizado na torre norte do Parlamento britânico, atualmente em obras, romperá seu silêncio para a virada do ano e aproveitará para marcar o momento final da saída do Reino Unido da União Europeia. Na noite de 31 de dezembro, o relógio tocará as tradicionais 12 badaladas da meia-noite.

Também será tocado, para testar o mecanismo, às 23 horas locais (20 horas em Brasília), horário oficial de encerramento do período de transição pós-Brexit, anunciou ontem o Parlamento britânico.

O Reino Unido deixou a União Europeia oficialmente em 31 de janeiro de 2020. Neste período de transição, continuou aplicando as regras europeias, enquanto negociava sua futura relação comercial com os 27 países-membros – negociações que ainda não deram resultado, apesar do pouco tempo restante.

Apesar dos esforços dos mais fervorosos defensores do Brexit, o Big Ben ficou em silêncio em 31 de janeiro. Segundo fontes, o badalar do Big Ben para simbolizar a separação custaria 500 mil libras (R$ 3,4 milhões).

O relógio e a Elizabeth Tower do Palácio de Westminster, concluída em 1859, estão sendo restaurados desde 2017. O icônico sino toca somente em ocasiões especiais. A última vez foi em 11 de novembro, por ocasião do armistício da 1.ª Guerra.

A equipe de restauração da torre – que custará 79 milhões de libras (R$ 542 milhões) – disse que as obras não devem terminar até o fim de 2021, como era previsto, pois elas foram suspensas por vários meses por causa da pandemia. A tradicional queima de fogos do ano-novo foi cancelada para evitar aglomerações. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.