Jonathan Ernst/REUTERS
Jonathan Ernst/REUTERS

Em reunião do G7, Trump disse que enviaria 25 milhões de mexicanos ao Japão

Presidente norte-americano se dirigiu ao primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe: 'você não tem esse problema, mas eu posso te enviar 25 milhões de mexicanos e estará fora do cargo muito rápido'

O Estado de S.Paulo

16 Junho 2018 | 04h54

WASHINGTON – O Presidente norte-americano Donald Trump disse ao primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, que enviaria 25 milhões de mexicanos ao Japão, em um dos vários momentos em que irritou os outros líderes que participaram do G7, indicou o jornal Wall Street Journal na última sexta-feira, 15.

Em um determinado momento, Trump descreveu a imigração como um grande problema para a Europa e logo disse ao primeiro-ministro japonês: “Shinzo, você não tem esse problema, mas eu posso te enviar 25 milhões de mexicanos e estará fora do cargo muito rápido”, o que deixou um clima de mal-estar, segundo funcionários europeus ouvidos pelo jornal.

A cúpula das sete democracias mais desenvolvidas do mundo acabou em desastre após Trump rejeitar a declaração de consenso e criticar o anfitrião, o primeiro-ministro canadense, Justin Trudeau. Durante o encontro, os outros líderes assistiram ao presidente norte-americano atacar verbalmente temas como comércio, terrorismo e imigração, de acordo com o Wall Street Journal.

+ Ministros do G7 apontam isolamento dos EUA após imposição de tarifas

+ Trump afasta aliados ao pedir que Rússia volte a integrar o G7

A fonte também disse que quando a discussão passou a ser sobre Irã e o terrorismo, Trump disse para o presidente francês, Emmanuel Macron: “Você deve saber sobre isso, Emmanuel, porque todos os terroristas estão em Paris”.

O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, também foi alvo das críticas de Trump, que, repetidas vezes, o chamou de “assassino brutal”, em referência às multas multimilionárias antimonopólios contra empresas norte-americanas de tecnologia. /AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.