Em São Paulo, uma celebração muito 'british'

Festa promovida por consulado reúne uma profusão de senhoras com penteado que imita o da rainha Elizabeth

Paulo Sampaio, O Estado de S.Paulo

30 de abril de 2011 | 00h00

Assim que a rainha Elizabeth aparece no telão, usando um tailleur amarelo ovo e um chapéu da mesma cor, uma senhora na audiência exclama: "Oh, lovely!"

Tudo na cerimônia do casamento real parece adorável aos olhos de boa parte das convidadas para a cerimônia promovida no final da tarde de ontem pelo consulado da Grã-Bretanha e a fundação britânicos em São Paulo. Segundo a assessoria do consulado, 300 pessoas confirmaram presença. Eles avisam que o cônsul, John Doddrell, vai dizer umas palavras. Alertam para o fato de que a especialidade de Doddrell é economia e, portanto, sabe pouco de cerimonial.

Se é economia, deve ter ideia sobre quanto se gastou no casamento. Não, ele não sabe. Na verdade, Doddrell apenas agradece ao povo brasileiro por festejar com os noivos.

Uma dupla de joalheiros aparece para explicar que presenteou Kate Middleton com um broche de ouro no valor de R$ 15 mil. Como os noivos, generosamente, encaminham os presentes para caridade, o consulado informa que vai leiloar a joia e reverter a renda para uma instituição em Diadema. O desenho do broche "Amazônia" - da joalheria online Chancelier - é do artista plástico Yves Winandy e foi produzido pelos ourives Dario Leibar e Carlito Pires da Silva.

No salão, uma profusão de senhoras com penteado de rainha e vestidinhos vintage ou blusinhas abotoadas até o pescoço, presas com broches estilo camafeu, alternavam comentários orgulhosos e maledicentes. Todas falavam com a intimidade de quem toma chá (ou gim tônica) diariamente com a rainha Elizabeth.

"Esse carro foi presenteado à rainha-mãe quando ela era princesa", diz uma, referindo-se ao veículo que leva Kate.

"Sinto pena do pai (de Kate). Não é mal, mas nasceu na classe média e de repente está ali, jogado no meio desse tumulto da realeza", diz outra.

Deirdre Pilnik, filha de pais ingleses nascida no Brasil, também parece penalizada. "Camila (Parker-Bowles, mulher do príncipe Charles) até que está com uma roupa elegante. Coitada, ela faz o que pode", diz ela, que acordou às 4 horas para assistir ao casamento pela BBC.

Com sotaque levemente "british", Deirdre aproveita a presença de um repórter brasileiro para pontificar sobre seus conhecimentos reais: "Kate não se tornou princesa. Ela é duchese".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.